Criar o próprio emprego foi a opção de 15% dos portugueses que não encontravam trabalho

Em Portugal, 15% das pessoas que criaram o seu próprio emprego fizeram-no porque não conseguiam encontrar trabalho. A Roménia foi, contudo, o país da UE onde o desemprego mais influenciou a decisão.

A União Europeia (UE), em 2017, contava com 228 milhões de pessoas empregadas, das quais cerca de 33 milhões criaram o seu próprio emprego. Essa decisão, de abrir um negócio próprio, é a opção de muitas pessoas, motivadas pelas mais diferentes razões: desde a vontade de ter um horário flexível até à continuação de um negócio que vem de família. Contudo, muitas vezes, a motivação vem de uma necessidade, a de encontrar uma alternativa para o desemprego.

Foi precisamente o que aconteceu a alguns portugueses. Em Portugal, 15% das pessoas que criaram o seu próprio emprego fizeram-no porque não conseguiam encontrar trabalho, revelam os dados do Gabinete de Estatísticas da UE, o Eurostat.

Contudo, foi na Roménia que esta razão mais pesou, com 38% dos romenos a justificarem a abertura de um negócio próprio pela dificuldade que sentiam em encontrar emprego, seguindo-se a Croácia (23%). Por outro lado, na Áustria, o desemprego foi algo que quase não teve influência no momento da decisão. Apenas 4% das pessoas disseram que criaram o seu próprio emprego por não encontrarem trabalho.

Mas, voltando ao nosso país, há mais razões que os portugueses apontam para justificarem a decisão de criar o seu emprego. Primeiro — e a mais indicada (28%) — é a identificação de uma oportunidade de negócio, seguindo-se depois a continuidade de um negócio familiar (17%).

Já a possibilidade de fazer horário flexíveis, já que muitas vezes são decididos pelo próprio, é um fator ao qual os portugueses não recorreram com expressão significante (apenas 3% apontou este como o motivo para a criação do seu trabalho). Aliás, neste ponto, Portugal é o segundo país com a percentagem mais baixa. Apenas os gregos dão ainda menos importância ao horário flexível (1%).

E há também diferenças de género neste tópico. É que as mulheres privilegiam o facto de terem alguma flexibilidade de horário, mais do que os homens.

Uma vez criado, como vai o negócio?

Sem dificuldades”. Esta foi a reposta que 26% dos portugueses nesta situação deram ao inquérito do Eurostat. A resposta vai ao encontro do sentimento vivido nos restantes países da União Europeia e fica, ainda assim, um pouco abaixo da média registada na União Europeia (28%).

O país onde o negócio parece que corre melhor é a República Checa, onde 44% das pessoas diz que não sente qualquer dificuldade. Contudo, nesse mesmo país, por outro lado, os processos administrativos apresentam-se como uma dificuldade maior.

Os auto empregados de Portugal, por sua vez, não sentem os processos administrativos como um grande fardo. Já os períodos em que não há clientes ou projetos são uma grande dificuldade para o negócio (21%), tal como os atrasos de pagamentos ou, mesmo, a falta deles (19%).

Já na Suécia e na Roménia, atrasos nos pagamentos é algo que, de maneira geral, não se apresenta como um problema para o negócio, sendo que apenas 4% das pessoas admitiu que era, de facto, uma dificuldade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Criar o próprio emprego foi a opção de 15% dos portugueses que não encontravam trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião