Ministra admite recorrer a privados para realizar cirurgias adiadas

  • Lusa
  • 11 Dezembro 2018

Marta Temido garante que o Governo está à procura de soluções para que todas as cirurgias sejam realizadas em hospitais do SNS, mas, se necessário, "também em hospitais privados".

A ministra da Saúde, Marta Temido, admitiu, esta terça-feira, recorrer aos hospitais privados para realizar algumas cirurgias adiadas devido à greve dos enfermeiros, caso o Serviço Nacional de Saúde não consiga responder a todas as situações.

“Continuamos a trabalhar no sentido de que todas as cirurgias que neste momento não estão a ser realizadas possam ser reagendadas no mais curto prazo possível e continuamos a trabalhar com os conselhos de administração no sentido de encontrar soluções para que, ainda dentro do período da greve, algumas das cirurgias que não correspondem ao padrão de serviços mínimos” possam ser realizadas, disse Marta Temido aos jornalistas, à margem da sessão de encerramento das comemorações dos 20 anos da Ordem dos Médicos Dentistas.

Segundo Marta Temido, está a tentar-se que algumas destas cirurgias possam realizar-se nos hospitais onde decorre a paralisação, que já adiou cerca de 5.000 operações programadas.

“Temos tido alguma colaboração dos piquetes de greve no sentido do alargamento de salas para alguns casos específicos ou para que essas cirurgias possam ser realizadas noutros hospitais, preferencialmente do Serviço Nacional de Saúde”, mas, “se for necessário, também com hospitais privados”, adiantou.

A ministra defendeu que este tipo de movimento que visa “a defesa de reivindicações dos trabalhadores não pode dar azo a algo” relativamente ao qual todos têm “algumas reservas, que é a questão de reforçar o setor privado em detrimento de uma fragilidade aparente criada do serviço público”.

“É muito importante que se refira que o Serviço Nacional de Saúde realiza anualmente perto de 600 mil cirurgias e que as cirurgias que estão neste momento a ser adiadas são cerca de cinco mil. Portanto, pese embora a enorme preocupação com que olhamos este impacto na vida dos portugueses na sua saúde, ao qual estamos atentos, e que continuaremos a trabalhar para contornar, esta greve tem a dimensão que tem”, salientou

Marta Temido salientou ainda que, “felizmente”, o SNS “tem capacidade de continuar a fazer outras coisas muito importante e muito positivas”.

“O Serviço Nacional de Saúde não é a imagem que às vezes se lhe pretende colar de serviço onde as pessoas não estão protegidas, as pessoas estão protegidas”, assegurou, realçando que as ordens profissionais têm um “papel fundamental” nesta matéria.

As greves que afetam o SNS têm um aspeto relevante de reivindicação dos profissionais, que o Governo tenta “acompanhar na medida” das suas “possibilidades como país”, mas têm também “um outro lado, um lado de fragilização dos serviços públicos”. Questionada sobre se essa fragilidade é criada pelos enfermeiros em greve, a ministra disse não acreditar que isso seja feito deliberadamente. “Todos temos a perceção de que quando tomamos determinados atos ou determinadas atitudes não são só os nossos atos que contam. É também a imagem que fica aos olhos da opinião pública em geral”, frisou.

Marta Temido disse estar “bastante preocupada” com as condições de trabalho dos cerca de 130 mil profissionais que trabalham no SNS, mas confessou ainda estar “mais preocupada com os 10 milhões de portugueses que a ele precisam de recorrer diariamente”. “Na escolha entre os dois, escolheremos sempre os portugueses”, comentou.

Sobre as áreas que mais preocupantes em termos de cirurgias adiadas, apontou a cirurgia vascular, a pediatria, as urgências diferidas de doentes com fraturas na área da ortopedia, mas ressalvou que não é possível fazer uma lista de prioridades, porque a preocupação são todos os doentes que estão a ser afetados por esta greve.

A “greve cirúrgica” dos enfermeiros, que termina em 31 de dezembro, está a decorrer nos blocos operatórios do Centro Hospitalar Universitário de S. João (Porto), no Centro Hospitalar Universitário do Porto, no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, no Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte e no Centro Hospitalar de Setúbal.

A paralisação foi convocada pela Associação Sindical Portuguesa de Enfermeiros e pelo Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministra admite recorrer a privados para realizar cirurgias adiadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião