OPEP reduz oferta. Vai produzir 31,4 milhões barris por dia

  • Lusa
  • 12 Dezembro 2018

O cartel cortou a estimativa para a produção de petróleo no próximo ano. Prevê produzir 31,4 milhões de barris de "ouro negro" por dia. Já a estimativa de consumo mantém-se em 110,8 milhões de barris.

A OPEP reviu, esta terça-feira, em baixa a produção de petróleo em 2019 para 31,4 milhões de barris por dia, menos que o calculado há um mês, mas manteve a estimativa do consumo em 100,8 milhões de barris diários.

No relatório mensal de dezembro sobre o mercado petrolífero hoje divulgado em Viena, a Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) estima que o valor de barris que o mundo vai precisar do grupo cairá em um milhão de barris por dia face aos 32,4 milhões de barris por dia de 2018, nível que, por sua vez, é inferior em 1,1 milhões de barris por dia na comparação com 2017.

Estes recuos devem-se à crescente produção rival, sobretudo dos Estados Unidos, já que o crescimento anual da procura de petróleo se mantém 1,29 milhões de barris por dia (1,31%), que totalizaria 100,8 milhões de barris em 2019, depois dos 98,79 milhões de barris por dia em 2018.

O documento sublinha que “o aumento da produção de petróleo não-OPEP superou este ano as expetativas iniciais do mercado”, devido ao aumento maior do que esperado das extrações nos Estados Unidos, sobretudo do petróleo de xisto, do Canadá e da Rússia.

No total, o aumento da produção exterior ao cartel é estimado agora em mais 2,50 milhões de barris por dia, mais 20% do que o valor previsto em julho do ano passado.

Para 2019, a OPEP “espera” que a oferta “não-OPEP” continue a aumentar fortemente, tendo em conta os crescentes investimentos no petróleo de xisto nos Estados Unidos, bem como os “novos projetos no Brasil”.

Segundo a OPEP, em 2019, a produção rival da organização deverá ser de 62,19 milhões de dólares, mais 90 mil barris do que o previsto há um ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OPEP reduz oferta. Vai produzir 31,4 milhões barris por dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião