Maior IPO de sempre no Japão não corre bem. Ações derrapam 14% na estreia

As ações da unidade de comunicações móveis do grupo SoftBank estrearam-se esta quarta-feira na bolsa e Tóquio, com um tombo de mais de 14%.

O maior IPO de sempre na bolsa de Tóquio até agora não fica na história pelas melhores razões. As ações da unidade de comunicações móveis do grupo SoftBank tombaram mais de 14% na estreia em bolsa, nesta quarta-feira. Apetite dos investidores foi travado por uma recente interrupção do serviço e pelos receios relativamente à sua exposição à fabricante chinesa Huawei.

As ações do SoftBank Corp terminaram o primeiro dia de negociação na bolsa japonesa nos 1.282 ienes, 14,5% abaixo dos 1.500 ienes do preço estabelecido na Oferta Pública Inicial (IPO).

A unidade comunicações móveis do SoftBank, grupo que integra também a telecom norte-americana Sprint, conseguiu angariar 2,65 biliões de ienes (cerca de 20,7 mil milhões de euros) com este IPO e aumentou mesmo a colocação de ações em 160 milhões para responder à forte procura, noticiou a Reuters. Valores que tornaram esta operação na maior alguma vez realizada no Japão e um pouco atrás do valor angariado na entrada em bolsa do Alibaba, em 2014.

O saldo deste IPO é, contudo, para já negativo e atípico no mercado acionista nipónico. Dos 82 IPO realizados este ano, faz parte do grupo de apenas sete que se estrearam abaixo do preço da oferta.

Contudo, durante o período da oferta, a empresa sofreu alguns reveses. Um deles foi uma rara interrupção do serviço a nível nacional. Outro, foram os desenvolvimentos em torno da Huawei. O SoftBank é a empresa que mais está exposta à fabricante de telemóveis chinesa. Entretanto, a empresa japonesa já adiantou que pretende substituir os equipamentos fornecidos pela Huawei por outros fornecedores, num processo que contudo promete ser demorado e dispendioso.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maior IPO de sempre no Japão não corre bem. Ações derrapam 14% na estreia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião