Sete pessoas detidas no âmbito do roubo das pistolas glock

  • Lusa e ECO
  • 19 Dezembro 2018

Durante esta manhã foram detidas sete pessoas, entre as quais dois agentes. "Operação Ferrocianeto" envolveu 15 buscas domiciliárias e quatro não domiciliárias.

A PSP deteve esta quarta-feira sete pessoas, entre as quais dois agentes da autoridade, relacionadas com o furto das armas retiradas da Direção Nacional da PSP no ano passado, de acordo com o comunicado enviado pelo Ministério Público (MP). Durante o início da manhã, de acordo com uma fonte da PSP à Lusa, já tinham sido detidas quatro pessoas, sendo que uma das detenções ocorreu esta segunda-feira.

“No âmbito do inquérito que investiga o furto de pistolas da Direção Nacional da PSP ocorrido em janeiro de 2017 (…) realizaram-se quinze buscas domiciliárias e quatro buscas não domiciliárias, em vários concelhos do país“, lê-se no documento enviado às redações. “No decurso das diligências foram efetuadas nove detenções”, sete delas relacionadas com o atual inquérito — “três em cumprimento de mandados de detenção emitidos pelo MP e quatro em flagrante delito” –, sendo que duas não estavam relacionadas com o inquérito atual.

Durante esta operação foram apreendidas “diversas armas, munições, material informático e equipamento de telecomunicações” e as diligências continuam a decorrer, informou o MP, encontrando-se o inquérito em segredo de justiça.

Esta manhã, os primeiros números apontavam para quatro detenções — três esta terça-feira e uma na segunda-feira –, de acordo com as informações dadas por um porta-voz da PSP à Lusa. Como disse Alexandre Coimbra, as detenções tinham ocorrido na zona da Grande Lisboa e estavam relacionadas com este caso do roubo das armas.

Em curso está a operação “Ferrocianeto”, levado a cabo pela PSP em vários concelhos do país — Vila Nova de Gaia, Gondomar, Mafra, Abrantes, Alvaiázere, Sintra, Cascais, Oeiras, Lisboa, Almada e Albufeira –, para deter os responsáveis pelo furto das 57 armas Glock retiradas da Direção Nacional da PSP no ano passado.

57 armas Glock desaparecidas. Oito delas recuperadas, metade em Espanha

Em janeiro do ano passado foi detetado o desaparecimento, do armeiro da sede da PSP, de 57 armas Glock após a apreensão de uma arma de fogo da polícia durante uma operação policial que decorreu no Porto. Outras três armas foram detetadas, posteriormente, pelas autoridades espanholas em Ceuta. Na altura foram suspensos os dois agentes responsáveis pela listagem das armas, aberto um inquérito e uma comunicação ao MP para efeitos de investigação criminal.

A 17 de outubro deste ano, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, disse no Parlamento que haviam sido recuperadas oito das 57 armas Glock desaparecidas “em operações distintas, sem nenhuma característica comum entre as mesmas, oito das 57 armas”. O ministro avançou que quatro armas foram recuperadas em Espanha, três das quais na Andaluzia e uma Ceuta, e outras quatro em Portugal.

Eduardo Cabrita avançou ainda que o oficial da PSP que foi responsável pelo departamento onde estavam armazenadas as armas desaparecidas foi exonerado de oficial de ligação do Ministério da Administração Interna na Guiné-Bissau. Na sequência dos processos disciplinares abertos pela PSP a este caso foi determinado, em março de 2017, a cessação da comissão de serviço do ex-diretor do Departamento de Apoio Geral da direção Nacional da PSP, enquanto oficial de ligação do MAI na Guiné-Bissau.

(Notícia atualizada às 13h16 com atualização do número de detidos)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sete pessoas detidas no âmbito do roubo das pistolas glock

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião