Umas atrás das outras. Facebook terá partilhado mensagens privadas dos utilizadores com empresas como Netflix e Spotify

Documentos internos mostram que a rede social permitiu que empresas como a Microsoft, Netflix e Spotify acedessem aos dados (e mensagens privadas) dos utilizadores do Facebook.

Enquanto o Facebook proclamava que estava no caminho para construir um muro de privacidade e segurança, abria, ao mesmo tempo, uma brecha para alguns gigantes tecnológicos. Que o digam empresas como a Microsoft, Netflix, Spotify e Yahoo, que recebiam os dados dos utilizadores da rede social liderada por Mark Zuckerberg, de acordo com os documentos obtidos pelo The New York Times (acesso livre, conteúdo em inglês).

O mais surpreendente é que estas e outras empresas tiveram, ainda, acesso aos conteúdos do Messenger do Facebook. Ou seja, puderam aceder às mensagens privadas dos utilizadores desta rede social, conseguindo não só ler, como também escrever novas mensagens ou apagar outras.

Contudo, nem o Spotify nem a Netflix confirmaram este acesso específico, dizendo que não sabiam que tinham essa permissão.

“Ao longo dos anos, procuramos diversas formas de tornar a Netflix mais social. Um exemplo disto foi uma funcionalidade que lançámos em 2014, que permitia aos subscritores recomendar séries e filmes aos seus amigos do Facebook através do Messenger ou da Netflix. Nunca foi muito popular pelo que nós descontinuámos essa funcionalidade em 2015″, explicou a Netflix ao ECO.

“Em nenhum momento nós acedemos às mensagens privadas das pessoas no Facebook, nem pedimos permissão para tal”, acrescentou.

Não se pode dizer que o Facebook tenha vendido dados, mas sim estabelecido relações de troca de dados. E com mais de 150 empresas. “Estes acordos, alguns assinados antes de 2010, estavam todos ativos em 2017”, escreve o jornal norte-americano. “Alguns ainda estavam em vigor este ano, inclusive”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Umas atrás das outras. Facebook terá partilhado mensagens privadas dos utilizadores com empresas como Netflix e Spotify

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião