Juros no crédito da casa caem após cinco meses a subir

A taxa de juro do conjunto os créditos à habitação existentes em Portugal desceu para 1,049% em novembro. Nos contratos celebrados nos últimos três meses também recuou.

Após cinco meses de subidas, alívio nos juros da casa. A taxa de juro do conjunto os créditos à habitação existentes em Portugal recuou para 1,049% em novembro, mantendo-se ainda assem em máximos de mais de dois anos. Nos contratos celebrados nos últimos três meses também baixou.

“A taxa de juro implícita no crédito à habitação desceu de 1,051% em outubro para 1,049% em novembro. Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro foi 1,452% em novembro (1,459% no mês anterior)”, dá nota o Instituto Nacional de Estatísticas (INE), nesta quinta-feira.

A taxa de juro fixada em novembro para a globalidade dos financiamentos alivia assim depois de em outubro ter crescido para o patamar mais elevado desde agosto de 2016, acompanhando o movimento de recuperação dos indexantes a que já se assiste. No caso dos contratos mais recentes (últimos três meses), o movimento foi similar.

Juros implícitos da casa recuam em novembro

Fonte: INE

O valor médio da prestação vencida, por sua vez, não sofreu qualquer alteração, tendo-se mantido nos 243 euros na globalidade dos créditos. “Deste valor, 46 euros (19%) correspondem a pagamento de juros e 197 euros (81%) a capital amortizado”, explica o INE, adiantando ainda que nos contratos celebrados nos últimos três meses, o valor médio da prestação aumentou dois euros em novembro, para 329 euros.

Já o capital médio em dívida para a totalidade dos contratos de crédito da casa subiu 192 euros para 52.352 euros, valor que corresponde à fasquia mais elevada em mais de três anos. Será necessário recuar até setembro de 2015 no histórico do gabinete público de estatísticas para assistir a um valor superior.

(Notícia atualizada às 11h18 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Juros no crédito da casa caem após cinco meses a subir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião