Descida da luz em 2019 vai sair cara nos próximos anos

  • ECO
  • 22 Dezembro 2018

ERSE alerta que ao "diminuírem os proveitos permitidos apenas num determinado ano, geram um agravamento tarifário da mesma dimensão nos anos subsequentes".

O Parlamento aprovou uma descida histórica dos preços da eletricidade. A fatura vai baixar 3,5% no próximo ano, mas a Presidente do Conselho Tarifário da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) alerta que o défice tarifário que a descida vai provocar poderá sair caro nos próximos anos.

Numa declaração de voto ao documento que analisa o impacto do despacho do Governo que transfere 189 milhões de euros para as tarifas de 2019, citada pelo Observador, Maria Manuela Moniz assinala que as medidas mitigadoras decorrentes do despacho têm “caráter extraordinário e não estruturante, sendo alocadas à diminuição das tarifas de baixa tensão nacional”, o que exclui as empresas.

A responsável cita o documento que a própria ERSE enviou ao Conselho Tarifário para alertar que “ao diminuírem os proveitos permitidos apenas num determinado ano, geram um agravamento tarifário da mesma dimensão nos anos subsequentes, porque nesses anos os proveitos permitidos são repostos para o nível que se verificava antes da aplicação da medida em causa”.

Assim, nos próximos anos o efeito pode ser o contrário, levando a uma subida dos preços para os consumidores, isto se não for contrariado por outros fatores do lado dos proveitos e ou dos custos. A dar força à subida dos preços depois de 2019 está a evolução dos preços da energia elétrica em mercado, que a ERSE prevê que continuem acima dos valores médios de mercado dos anos anteriores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Descida da luz em 2019 vai sair cara nos próximos anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião