Investimento nas PME portuguesas através da Raize supera os 21,7 milhões de euros

Número de investidores registados na Raize mais do que duplicou, contemplando agora mais do que 44 mil pessoas. Um dos objetivos da plataforma para 2019 é o investimento em parceria com bancos.

A Raize conseguiu subir a parada em 2018. As PME portuguesas já receberam, no total, investimentos no valor de 21,7 milhões de euros através da plataforma de financiamento, o que é acima do dobro do ano anterior. A base de investidores da Raize também mais do que duplicou, sendo agora constituída por cerca de 44 mil pessoas.

“Financiamos empresas de norte a sul, no continente e nas ilhas”, aponta a Raize em comunicado. A oferta de crédito foi alargada para empresas de maior dimensão, com necessidades de financiamento anuais entre os 250 e os 500 mil euros, e um dos objetivos para este ano é aumentar ainda mais o grupo.

A rentabilidade média para os investidores da plataforma manteve-se em linha com os anos anteriores, e fixou-se nos 6,47% após perdas. Já quando se olha para a rentabilidade média acumulada nos últimos três anos o valor fixa-se nos 30,37%, também depois das perdas.

Outra das metas da empresa para 2019 é chegar a outros mercados, explorando a expansão internacional na modalidade de pagamentos e financiamento de empresas. A criação de novos produtos de poupança e o investimento em parceria com entidades bancárias está também nos planos, sendo que em 2018 já pôs em curso este ponto, ao juntar-se à DIF Broker para investir no capital das PME nacionais.

A empresa liderada por José Maria Rego já é cotada em bolsa, com a estreia na bolsa de Lisboa em julho do ano passado, depois de um IPO com uma procura quatro vezes superior à oferta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investimento nas PME portuguesas através da Raize supera os 21,7 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião