“Não pode haver portugueses de 1.ª e de 2.ª” na saúde, afirma Assunção Cristas

A líder do CDS-PP diz que a proposta do CDS-PP para a Lei de Bases da Saúde visa "um sistema de saúde moderno, humanizado e eficiente".

Primeiro foi a vez do Partido Social Democrata (PSD) e depois a do CDS – Partido Popular (CDS-PP). O tema é a saúde e para Assunção Cristas, presidente do CDS-PP, “não podem haver portugueses de primeira e portugueses de segunda”, afirmou, durante a apresentação da proposta para a Lei de Bases da Saúde.

A proposta do CDS-PP coloca o cidadão e o doente no centro do sistema de saúde, “independentemente da carteira, morada ou idade”. O objetivo final é criar “um sistema de saúde moderno, humanizado e eficiente”.

A questão dos cuidadores informais merece, também destaque na proposta do CDS-PP, um ponto no qual também a proposta apresentada pelo PSD toca. “Queremos valorizar e integrar o papel dos cuidadores informais”, afirmou a líder do CSD-PP.

O Estado, por sua vez, também não escapa ao discurso de Assunção Cristas. “O Estado é o garante máximo da saúde”, disse. “Tem de ficar claro e ser autónomo o papel que desempenha em cada momento (…) e deve fazer o uso mais eficiente dos recursos públicos”, acrescentou.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“Não pode haver portugueses de 1.ª e de 2.ª” na saúde, afirma Assunção Cristas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião