Saúde não pode ser debatida em “dez minutos”. É “lamentável”, diz Adão Silva

O grupo parlamentar do PSD criticou a "incapacidade" do Governo para resolver os problemas que o setor da saúde enfrenta e o tempo escolhido para o debate de dia 23: "apenas dez minutos".

Adão Silva, presidente do grupo parlamentar do Partido Social Democrata (PSD), deixou claro, durante a apresentação da proposta do PSD para a Lei de Bases da Saúde, que o Governo não está a corresponder às necessidades do quadro nacional de cuidados de saúde, começando logo pelo tipo de grelha que escolheu para o debate no Parlamento, no próximo dia 23 de janeiro.

“Lamentavelmente, o Governo optou por uma grelha curta. Podia ser a grelha A, podia ser a grelha B, mas é a grelha C”, disse o deputado, acrescentado que “o Governo terá apenas dez minutos para apresentar a proposta de lei e para responder às dúvidas dos deputados”.

Para Adão Silva, o tempo definido é insuficiente, principalmente quando comparado com debates de outros anos. “Em 1990, quando foi debatida a proposta de lei, a discussão começou às 15h00 e acabou por volta das 20h00. Demorou cerca de cinco horas, agora vai demorar 50 minutos”, recorda.

“O Governo está a ter uma manifesta incapacidade [de resolver os problemas relacionados com a saúde]”, disse, destacando o menor investimentos e as listas de espera longas no SNS. Por um lado, “há obras que deviam ser feitas e não são feitas” e, por outro, “em Seia [por exemplo], há que esperar 1.400 dias para a primeira consulta em oftalmologia e mais de 1.000 dias, em Faro, para a primeira consulta de ortopedia”.

“Temos o Serviço Nacional de Saúde (SNS) à beira de um ataque de nervos”, afirmou Adão Silva.

A questão da saúde é, na opinião do presidente do grupo parlamentar do PSD, “um terreno fértil de lutas políticas”, contudo, a proposta do partido liderado por Rui Rio pretende afastar-se dessas tensões e assumir o cidadão como a prioridade, auferindo-lhe “mais qualidade, mais acesso e mais rapidez”.

A proposta do PSD, para a Lei de Bases da Saúde, passa por reforçar os cuidados terciários, tendo em conta o grau de envelhecimento do país. “O país necessita de uma rede de cuidados terciários, desdobrados em cuidados continuados, cuidados paliativos e até na questão do cuidador informal”, afirmou Adão Silva.

Por outro lado, a proposta foca ainda o problema de natalidade do país e, também, a questão da saúde pública. “O Governo anda há três anos para fazer uma nova lei da saúde pública, que é tão necessária”, referiu.

Luís Filipe Pereira, coordenador do Conselho Estratégico Nacional (CEN) para a saúde, reforçou que a situação está a “degradar-se” e que isso é prova dos números do próprio Governo. Uma situação que considera ser muito injusta. “Os que têm mais recursos acabam por recorrer ao setor privado. Isso é profundamente injusto. Queremos acabar com isso”, disse.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Saúde não pode ser debatida em “dez minutos”. É “lamentável”, diz Adão Silva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião