Quatro mil psicólogos e nutricionistas candidataram-se a 80 vagas no SNS

  • ECO
  • 2 Janeiro 2019

Segundo a Administração Central do Sistema de Saúde, cerca de quatro mil psicólogos e nutricionistas apresentaram candidaturas às 80 vagas abertas, no verão de 2018, no SNS.

São muitos os candidatos para tão poucas vagas: cerca de quatro mil psicólogos e nutricionistas candidataram-se aos 80 lugares disponibilizados nos concursos abertos no verão do ano passado para o Sistema Nacional de Saúde (SNS). Os dados fazem parte da última edição do boletim Acontece da Administração Central do Sistema de Saúde, que é citada pelo Público (acesso condicionado), esta quarta-feira.

De acordo com esse documento, no caso dos nutricionistas, concorreram 1.082 profissionais a 40 vagas (para estágios com vista a obtenção do grau de especialista da carreira dos técnicos superiores de saúde) e, no caso dos psicólogos 2.840 às mesmas quatro dezenas de lugares.

De acordo com a bastonária Alexandra Bento, os candidatos ao concurso para nutricionistas representam cerca de um quarto do total de profissionais inscritos na Ordem. A responsável explica também que, como alguns dos candidatos já trabalham no SNS (sem terem efeito estágio de especialidade, mas com experiência que os habilita para tal), pode não haver sequer um aumento do número de profissionais. Alexandra Bento antecipa ainda que a seleção será demorada e “complicadíssima”.

No caso dos psicólogos, o bastonário Francisco Miranda Rodrigues considera a situação “uma loucura”, mas não surpreendente. Também nesta área há candidatos que já trabalham no SNS, mas que nunca conseguiram regularizar a sua situação, o que pode resultar na manutenção e não no aumento do número de profissionais.

“A situação vai-se arrastar. Vamos ver quando é que o processo de seleção está concluído em 2019, o que nos leva a questionar se não se deveria lançar já outro concurso, até porque há espaço para isso”, frisa ainda Miranda Rodrigues.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quatro mil psicólogos e nutricionistas candidataram-se a 80 vagas no SNS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião