Isabel Meirelles: Montenegro “não merece credibilidade”

Vice-presidente do PSD reagiu depois de Luís Montenegro ter desafiado Rui Rio para eleições diretas pela liderança do maior partido da oposição.

Numa declaração que frisou ser “em nome pessoal” e que não vincula nem a direção do PSD, nem Rui Rio, Isabel Meirelles reagiu, esta tarde, à decisão de Luís Montenegro de desafiar o atual líder social-democrata para eleições diretas. A vice-presidente do partido critica a “demagogia” de Montenegro, que diz não merecer credibilidade. “Ele mente”, acusa.

A dirigente do PSD falava poucos minutos depois de Luís Montenegro ter anunciado a sua candidatura à liderança do partido. “Fiquei extraordinariamente surpreendida pelo tom de vacuidade, pelo tom politiqueiro de quem só diz mal. Não vimos ali expressa uma única ideia e isso deixa-me triste, porque esta direção tinha inaugurado uma nova maneira de fazer política”, começou por dizer, em declarações transmitidas pela SIC Notícias.

O único argumento apresentado pelo antigo líder parlamentar do PSD para se candidatar à liderança do partido, diz, é o dos fracos resultados nas sondagens. “E isto não é argumento em sítio nenhum”, contrapõe. Caso contrário, “Rui Rio não tinha sido eleito presidente da Câmara do Porto, nem teria sido eleito nas eleições diretas do PSD, nem sequer Passos Coelho tinha vencido as eleições legislativas”.

Por outro lado, diz, “é preciso não estar minimamente atento” para acusar o partido de não estar a fazer oposição. “Basta ver a densidade de documentos que foram produzidos pelo Conselho Nacional”, refere, destacando as áreas da saúde, da educação e dos fundos estruturais. “Foram produzidos imensos documentos, foram feitas 104 propostas de alteração ao Orçamento do Estado. Há uma progressão enorme. Há uma produção de ideias que não se pode acusar o PSD de não ter”, acrescentou.

Luís Montenegro não quer salvar o PSD. Este é um plano arquitetado do passado. Quer salvar, sobretudo, as pessoas que o rodeiam e ele próprio. E faz uma coisa muito grave no sistema político. Ele mente.

Isabel Meirelles

Vice-presidente do PSD

A vice-presidente do PSD conclui acusando Montenegro de mentir e garantindo que a atual direção vai fazer tudo para continuar a liderar o maior partido da oposição. “Luís Montenegro não quer salvar o PSD. Este é um plano arquitetado do passado. Quer salvar, sobretudo, as pessoas que o rodeiam e ele próprio. E faz uma coisa muito grave no sistema político. Ele mente. Disse, no passado, que só faria oposição a António Costa, ao Bloco de Esquerda e ao PCP, e disse também que não deveria haver um congresso extraordinário se não apenas depois das legislativas”, sublinhou.

Uma pessoa assim não nos merece credibilidade. Tudo faremos para que o PSD continue a ser o maior partido do espetro político português”, assegurou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel Meirelles: Montenegro “não merece credibilidade”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião