Isabel dos Santos é a oitava mais rica de África. Mas a fortuna encolheu

A filha do antigo presidente angolano José Eduardo dos Santos viu a sua fortuna diminuir para 2,3 mil milhões de dólares, pela desvalorização de empresas como a Galp e a Nos.

A riqueza em África está a diminuir. A lista de multimilionários encolheu de 23 para 20, e as suas fortunas viram também uma redução. A angolana Isabel dos Santos posiciona-se em oitavo neste ranking, e, apesar de ter subido uma posição, a fortuna diminuiu de 2,7 mil milhões de dólares para 2,3 mil milhões.

A desvalorização da Galp e da Nos, bem como da Unitel, explicam a diminuição do montante detido pela filha do ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos, de acordo com a Forbes (acesso livre/conteúdo em inglês). A liderar o ranking compilado pela publicação norte-americana está o nigeriano Aliko Dangote, que encabeça a lista há oito anos e que perdeu cerca de dois mil milhões de dólares desde o ano anterior.

A segunda pessoa mais rica de África também provém da Nigéria. Mike Adenuga foi um dos quatro bilionários que escapou à diminuição do montante detido, avaliado em 9,2 mil milhões de dólares, graças aos ganhos dos negócios em telecomunicações, explorações petrolíferas e imobiliário. A fechar o pódio está o sul-africano Nicky Oppenheimer, que deve à exploração de diamantes a sua fortuna.

O bolo total dos multimilionários africanos é de 68,7 mil milhões de dólares, uma queda em relação aos 75,4 mil milhões do ano anterior. Os países que albergam mais pessoas na lista são o Egito e a África do Sul, cada um com cinco, seguidos pela Nigéria e Marrocos. Isabel dos Santos é das mais novas do ranking, com 45 anos, e está empatada em oitavo lugar com mais três multimilionários.

Para além da empresária angolana encontra-se apenas mais uma mulher na lista. É a nigeriana Folorunsho Alakija, cuja riqueza provém de um campo de petróleo operado pela Chevron, que se posiciona em 19º lugar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos é a oitava mais rica de África. Mas a fortuna encolheu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião