Jerónimo Martins fatura 17,3 mil milhões. Mais de dois terços das receitas vêm da Polónia

A Jerónimo Martins fechou o ano com vendas de 17,3 mil milhões de euros, mais 6,5% do que no ano anterior, apesar de menos 21 dias de vendas na Polónia. Pingo Doce cresceu 4,6%.

A Jerónimo Martins fechou o ano de 2018 com um volume de vendas de 17,3 mil milhões de euros, um crescimento de 6,5% face ao ano anterior, revelou a empresa em comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Estes números, que são ainda preliminares, estão em linha com as estimativas dos analistas do BPI.

A Polónia, a exemplo dos anos anteriores, é quem mais contribui, com as vendas da Biedronka a atingirem os 11,691 mil milhões de euros, um crescimento de 5,6% face a 2017. A Jerónimo Martins salienta que teve menos 21 dias de vendas na Polónia, devido à obrigatoriedade de encerrar aos domingos. O mercado polaco tem um peso de 67,4% nas contas do grupo.

Já as receitas geradas pelo Pingo Doce, principal insígnia do grupo em Portugal, cresceram 4,6% para os 3,835 mil milhões de euros. A insígnia abriu dez novas localizações no ano. Também em Portugal, o Recheio registou um crescimento de 4% para os 980 milhões de euros.

Na Colômbia, a Ara viu as vendas aumentarem 47,9% para os 599 milhões de euros.

Em comunicado a empresa liderada por Pedro Soares dos Santos diz que “ 2018 foi um ano exigente, particularmente na Polónia, onde enfrentámos uma mudança significativa das regras de funcionamento do mercado”.

“Fomos capazes de aumentar as quotas de mercado nas três geografias, ao mesmo tempo que gerimos cuidadosamente o mix de vendas enquanto impulsionador fundamental do crescimento rentável”, acrescenta o presidente executivo. “Acreditamos que esta será uma vantagem chave na entrada em 2019”, remata.

A Jerónimo Martins apresenta os resultados de 2018 no próximo dia 27 de fevereiro, após o fecho do mercado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jerónimo Martins fatura 17,3 mil milhões. Mais de dois terços das receitas vêm da Polónia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião