Ministro diz que taxa de juro do programa Casa Eficiente não é atrativa

  • Lusa
  • 14 Janeiro 2019

Matos Fernandes, defende ser importante aumentar a adesão ao programa Casa Eficiente, considerando que a taxa de juro praticada pelos bancos não é atrativa.

O ministro do Ambiente, Matos Fernandes, defendeu esta segunda-feira que é importante aumentar a adesão ao programa Casa Eficiente, considerando que a taxa de juro praticada pelos bancos não é atrativa.

À margem de um visita ao Complexo do Cachão, em Mirandela, Matos Fernandes adiantou que vai reunir-se “em breve” com a Confederação Portuguesa da Construção e Imobiliário (CPCI) para encontrar soluções para ultrapassar o subaproveitamento do programa Casa Eficiente.

O programa Casa Eficiente tem 200 milhões de euros disponíveis para serem investidos na melhoria das condições energéticas e de eficiência das habitações.

“A expectativa que, quer a confederação CPCI quer o Governo tinham quando lançaram este programa, ainda não está a ser cumprida”, afirmou o ministro, realçando que “a taxa de juro que a banca está a praticar é uma taxa demasiado parecida com a do crédito pessoal para poder ser atrativa”.

Matos Fernandes defendeu que “é mesmo importante tornar mais eficientes as habitações, seja do ponto de vista energético, seja do ponto de vista elétrico”.

“Já falei hoje de manhã com o presidente da CPCI e vamos muito em breve reunir para saber o que fazer com o objetivo de aproveitar estes mais de 200 milhões de euros que estão disponíveis para que possa ser investido neste setor”, afirmou.

De acordo com o jornal Público, seis meses depois de ter chegado ao terreno, o programa de eficiência energética, com uma dotação de 200 milhões de euros, permitiu empréstimos de apenas 300 mil euros, e só a CGD e o Millennium BCP avançaram com produtos específicos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministro diz que taxa de juro do programa Casa Eficiente não é atrativa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião