Resultados da banca desanimam. China trama Wall Street

O Citigroup abriu a época de apresentação de resultados da banca, mas desiludiu os investidores. Wall Street em queda.

As bolsas norte-americanas arrancaram a semana no vermelho, numa altura em que os investidores se preparam para os resultados do setor bancário. Resultados esses que não começaram da melhor maneira, depois de o Citigroup ter apresentado lucros que ficaram abaixo do previsto, arrastando consigo outras instituições financeiras. A queda inesperada das importações e exportações chinesas em dezembro também está a abalar os mercados.

O principal índice financeiro S&P 500 abriu a cair 0,79% para 2.575,82 pontos, assim como o industrial Dow Jones iniciou a recuar 0,72% para 23.823,73 pontos. A acompanhar esta tendência esteve também o tecnológico Nasdaq que desvalorizou 0,88% para 6.910,13 pontos.

A contribuir para este cenário de quedas estão os resultados do setor bancário, nomeadamente do Citigroup que apresentou lucros de 4,3 mil milhões de dólares no último trimestre do ano passado, deixando os investidores desiludidos. Esperavam mais. Após estes números, os títulos do banco caíram 0,7% antes da abertura dos mercados, embora tenham recuperado e estejam a subir 1,06% para 57,29 dólares.

Estes resultados dececionantes do banco norte-americano empurraram ainda outros bancos para as perdas, que também deverão apresentar resultados durante esta semana. O Goldman Sachs está a cair 0,37%, assim como o Morgan Stanley que recua 0,22%. Também o Bank Of America desliza 0,23%.

Fora do setor bancário, os mercados também estão a ser prejudicados pelo sentimento que vem da China. A somar-se às preocupações à volta das tarifas aplicadas pelos Estados Unidos, vem agora a queda inesperada das importações e das exportações chinesas em dezembro, de acordo com a CNBC (conteúdo em inglês). Estes números estão a levantar preocupações sobre uma possível desaceleração daquela que é a segunda maior economia do mundo.

A sair prejudicadas estão várias empresas fabricantes de chips, que obtêm as maiores receitas em território chinês, tais como a Micron Technology que recua 3,55%. Em alerta estão ainda outras tecnológicas norte-americanas como a Apple que desvaloriza 1,14% para 150,55 dólares por ação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Resultados da banca desanimam. China trama Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião