Montenegro: Aprovação da moção de confiança a Rio “não é derrota política”

  • Lusa
  • 14 Janeiro 2019

Montenegro diz que irá respeitar a decisão dos conselheiros e estará disponível para “ajudar a combater o PS e o dr. António Costa”, mas não a dar a cara por uma estratégia com a qual não concorda.

O antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro defende que uma eventual aprovação da moção de confiança do presidente do partido pelo Conselho Nacional não representaria uma derrota política sua, uma vez que defendia diretas.

Numa curta entrevista ao Jornal das 8, na TVI, Luís Montenegro defendeu que o PSD tem de representar, no mínimo, 30% da sociedade portuguesa em eleições, manifestou-se contra a diminuição das 40 para as 35 horas na função pública e criticou “a forma intransigente” como os professores têm reclamado a recuperação integral do tempo de serviço.

Questionado sobre o timing do anúncio da sua disponibilidade para disputar eleições internas, Montenegro afirmou que se o processo for lançado agora há condições para o PSD “ter um novo líder em março”, dois meses antes das europeias, e meio ano antes das legislativas.

O antigo líder parlamentar do PSD reiterou, como já tinha dito após a audiência com o Presidente da República, que não vai a votos no Conselho Nacional da próxima quinta-feira, no qual será discutida e votada uma moção de confiança à direção, proposta pelo presidente, Rui Rio.

"Não é a minha derrota política [se Rui Rio passar na moção de confiança no Conselho Nacional do PSD]. É a opção do dr. Rui Rio de não ouvir os militantes e ouvir um órgão no qual à partida – pelo menos é o que ele pensa – tem mais vantagem.”

Luís Montenegro

“Eu não vou a votos no Conselho Nacional: não fui eu que promovi a moção de confiança – nem podia – e também não fui eu que promovi a tentativa de moção de censura, que também não podia porque não sou conselheiro”, disse.

Questionado se uma aprovação da moção de confiança significará uma derrota política, Luís Montenegro respondeu negativamente.

“Não é a minha derrota política. É a opção do dr. Rui Rio de não ouvir os militantes e ouvir um órgão no qual à partida – pelo menos é o que ele pensa – tem mais vantagem”, declarou.

Se for esse o caminho, Montenegro diz que irá respeitar a decisão dos conselheiros e estará disponível para “ajudar a combater o PS e o dr. António Costa”, mas não a dar a cara por uma estratégia com a qual não concorda.

Interrogado se está pouco confiante para a reunião de quinta-feira, Montenegro voltou a distanciar-se da opção de Rio pelo Conselho Nacional em vez de diretas, fazendo, ainda assim, um apelo aos conselheiros.

“O que os conselheiros nacionais devem atender é ao seguinte: neste momento, há um líder e uma pessoa que se predispôs a disputar essa liderança e esta disponibilidade deve ser encarada de forma mais natural e tranquila do que tem sido nos últimos dias”, defendeu.

Sobre o que faria diferente de Rui Rio à frente do PSD, Luís Montenegro apontou a unidade do partido, a atitude em relação ao PS e “prioridades políticas claras”, entre as quais apontou o alívio da carga fiscal da classe média.

Luís Montenegro manifestou-se contra a reversão feita pelo Governo das 40 horas de trabalho semanais para a Função Pública e disse ter “muitas dúvidas” sobre as reivindicações dos professores, tal como têm sido mantidas “de forma intransigente”.

“Já percebemos que não há condições financeiras para acolher a reivindicação dos professores, mas deve ser aplicado um mecanismo de atualização nas carreiras equivalente ao do resto da administração pública”, considerou.

Muita gente tem evocado Sá Carneiro. Olhando para o que foi a história e a intervenção de Sá Carneiro, não tenho a minha dúvida de que, se estivesse na minha posição faria o mesmo e se estivesse na posição de Rui Rio teria aceitado o desafio e marcado eleições diretas.

Luís Montenegro

Luís Montenegro escusou-se a divulgar o que conversou com Marcelo Rebelo de Sousa, mas fez questão de lembrar o fundador do partido Francisco Sá Carneiro, que foi evocado por Rui Rio na resposta ao antigo líder parlamentar do PSD.

“Muita gente tem evocado Sá Carneiro. Olhando para o que foi a história e a intervenção de Sá Carneiro, não tenho a minha dúvida de que, se estivesse na minha posição faria o mesmo e se estivesse na posição de Rui Rio teria aceitado o desafio e marcado eleições diretas”, afirmou.

O Conselho Nacional do PSD reúne-se extraordinariamente na quinta-feira, no Porto, às 17h00, para discutir e votar a moção de confiança à direção de Rui Rio.

O artigo 68.º dos estatutos do PSD determina que “as moções de confiança são apresentadas pelas Comissões Políticas e a sua rejeição implica a demissão do órgão apresentante”.

A reunião surge depois de o antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro ter pedido a convocação de eleições diretas antecipadas e de Rui Rio ter rejeitado o repto e decidido submeter a direção a um voto de confiança do Conselho Nacional.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Montenegro: Aprovação da moção de confiança a Rio “não é derrota política”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião