Lisboa vai ter novo centro de congressos até 2023

Este investimento vai ser financiado pelo aumento da taxa turística em Lisboa, para dois euros por noite. A garantia foi dada aos hoteleiros por Fernando Medina.

Lisboa deverá ter um novo centro de congressos até 2023, altura em que o projeto de expansão da capacidade aeroportuária estará concluído e a procura turística pela capital portuguesa irá, por isso, aumentar significativamente. A promessa foi feita pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa à Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), como compensação pelo aumento da taxa turística em Lisboa para os dois euros por noite.

A informação foi anunciada, esta terça-feira, por Raul Martins, presidente da AHP, num encontro com vários grupos hoteleiros. Segundo o responsável, numa reunião que decorreu no dia 21 de dezembro, Fernando Medina assegurou que “o aumento da taxa turística destina-se a fazer face ao investimento para a construção do novo centro de congressos de Lisboa e à ampliação do pavilhão de exposições do Parque das Nações“.

Aos jornalistas, Raul Martins detalhou que esta foi a forma encontrada pela Câmara de Lisboa para obter o apoio da hotelaria para o aumento da taxa turística. O presidente da AHP adianta ainda que o autarca garantiu que o novo centro de congressos será construído no Parque das Nações e concluído até 2023.

No ano passado, Fernando Medina já tinha apontado esta construção como um dos objetivos para este ano. “2019 será, certamente, o ano em que vamos discutir, de novo, a criação de um centro de congressos e a ampliação da capacidade para o turismo de congressos”, disse o presidente da Câmara de Lisboa, durante a IV Cimeira do Turismo Português.

Antes disso, chegou a estar previsto um projeto no Pavilhão Carlos Lopes, no Parque Eduardo VII, que nunca avançou. Em 2017, Vítor Costa, presidente da Associação de Turismo de Lisboa, justificava que um novo centro de congressos fazia sentido “numa área de negócios em sentido lato, numa zona de desenvolvimento da cidade”, o que não era o caso desta infraestrutura.

Tal como já tinha sido anunciado, o aumento da taxa turística de Lisboa vai ainda servir para financiar a ampliação dos pavilhões da Feira Internacional de Lisboa (FIL), no Parque das Nações, para continuar a dar resposta ao Web Summit, bem como para investir na higiene urbana.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa vai ter novo centro de congressos até 2023

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião