Afinal, taxas do Montijo vão ser até 20% mais baixas do que as da Portela

Este desconto será uma das formas utilizadas para convencer as companhias aéreas a operarem no Montijo, que ficará operacional em 2022.

As taxas aeroportuárias praticadas no novo aeroporto do Montijo serão 15% a 20% mais baixas do que aquelas que são cobradas no aeroporto Humberto Delgado. A informação consta do sumário do acordo assinado esta terça-feira entre o Governo e a ANA – Aeroportos de Portugal e vem contrariar um valor que tinha sido divulgado esta manhã, que apontava para que as taxas fossem até 80% mais baratas.

Entre os aspetos principais do acordo financeiro estabelecido entre o Governo e ANA, fica que definido que as taxas praticadas no Montijo serão “atrativas, estando assumido como pressupostos de partida que se situem 15% a 20% das do aeroporto Humberto Delgado, em linha com a repartição dos investimentos pelos dois aeroportos”, pode ler-se no sumário do acordo da autoria do Ministério do Planeamento e Infraestruturas.

Esta manhã, o Público e o Jornal de Negócios escreveram que as taxas aeroportuárias do Montijo seriam 80% a 85% mais baratas do que na Portela. Contudo, contactada pelo ECO, fonte oficial do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas garante que as taxas no Montijo ficarão, no máximo, 20% mais baratas do que na Portela.

Este será o desconto utilizado para atrair as companhias aéreas para operarem no aeroporto secundário de Lisboa. Para já, a Vinci, empresa francesa que detém a ANA na totalidade, indica apenas que há “várias” companhias interessadas em crescer na região de Lisboa através do Montijo, mas não revela quais.

Esta diferença nas taxas praticadas num e noutro aeroporto também se explica pela diferença do investimento que será feito pela ANA. O acordo de expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa, assinado esta terça-feira, prevê que a concessionária dos aeroportos nacionais invista um total de 1.747 milhões de euros durante o período da concessão. Deste montante, 1.326 milhões serão investidos numa primeira fase, até ao ano de 2028, enquanto os restantes 421 milhões serão investidos ao longo de todo o período de concessão dos aeroportos, até ao ano de 2062.

Do montante total a investir na primeira fase, a maior fatia (650 milhões) será destinada ao aeroporto Humberto Delgado, onde a ANA vai triplicar o ritmo de investimentos que irá fazer até 2028. Para o Montijo, está previsto investir um total de 520 milhões de euros, para além de outros 156 milhões compensar a Força Aérea pela ocupação do Montijo e para melhorar os acessos aos dois aeroportos.

Apesar deste aumento do investimento, o aumento das taxas aeroportuárias será mais moderado do que aquilo que aconteceu até agora, desde que a ANA foi privatizada. “A evolução das taxas terá em conta os investimentos, a procura e a inflação e, a partir de 2023, a evolução das taxas praticadas em aeroportos europeus similares através de um processo de benchmark”, refere o acordo. “É eliminado o mecanismo de aumento de taxas com o crescimento da procura e prolongada a aplicação do fator de eficiência que reduz as atualizações anuais”, acrescenta.

Mais estacionamento, mais acessos, mais eficiência

O objetivo do Governo e da ANA é chegar ao fim deste projeto de expansão da capacidade de Lisboa com um sistema aeroportuário a operar 72 movimentos por hora (quase o dobro em relação aos atuais 38) e capacidade para servir uma procura superior a 50 milhões de passageiros por ano. O novo aeroporto do Montijo vai receber as operações “ponto a ponto” (sem correspondências), de médio curso e aviação privada, devendo estar operacional em 2022. Já as obras de ampliação do Humberto Delgado, que irá manter-se como o hub de Lisboa, irão decorrer para lá dessa data, ao longo da próxima década.

No final, o Montijo terá uma pista de 2.400 metros, sendo ainda construídos caminhos de circulação e 36 posições de estacionamento de aeronaves, 25 das quais de contacto com o terminal. Será também construído um acesso rodoviário direto à Ponte Vasco da Gama, bem como uma praça de acesso com área de kiss&fly (estacionamento rápido para largar passageiros), um parque de autocarros e uma estação de táxis, estando ainda previsto um serviço shuttle entre o terminal do Montijo e o cais fluvial do Seixalinho.

O Humberto Delgado, por seu lado, ficará com um total de 89 posições de estacionamento de aeronaves, com uma maior percentagem de posições de contacto com o terminal, o que permitirá reduzir os embarques e desembarques de autocarro. Para isso, será encerrada a pista 17/35, logo que a ANAC conceda a certificação e, posteriormente, seja feita a alteração contratual.

Será ainda aumentada a capacidade dos sistemas de check-in, controlo de segurança, controlo de passaportes e tratamento e entrega de bagagens. Haverá novas saídas rápidas de pista e será feito um prolongamento dos caminhos de circulação. Serão construídos novos acessos rodoviários para poente e norte, independentes da 2.ª Circular, bem como uma nova praça de chegadas, sendo ainda ampliado o parque de autocarros e a estação de táxis. Por fim, haverá novos parques de estacionamento de automóveis.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Afinal, taxas do Montijo vão ser até 20% mais baixas do que as da Portela

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião