“Seria mau para todos se houvesse uma saída descontrolada”, diz António Costa

O primeiro-ministro lamentou que o acordo apresentado por Theresa May tenha sido chumbado pelo Parlamento britânico, afirmando que uma "saída descontrolada" seria "má para todos".

Para o primeiro-ministro, este chumbo do Brexit no parlamento britânico é “preocupante”. António Costa falou aos jornalistas após ser conhecido o resultado da votação da Câmara dos Comuns, afirmando que esta rejeição resulta de “vários votos negativos com diferentes motivações” por parte dos deputados. Referindo os vários riscos que este chumbo acarreta para a economia europeia, antecipou que o Governo português já tem preparados alguns mecanismos.

Toda a gente acha que é impensável haver uma saída descontrolada. A verdade é que esta rejeição resulta da congregação de votos negativos com diferentes motivações: quem não quer o Brexit vota contra qualquer acordo, quem quer um Brexit radical vota contra este acordo porque não é radical, a oposição que quer eleições vota contra, a oposição ou os conservadores que querem um segundo referendo também votam contra”, comentou o primeiro-ministro.

“A verdade é que há uma ligação negativa com motivações diversas, mas não há uma maioria que diga qual o acordo que deseja”, continuou. E, para António Costa, “isto é preocupante porque estamos na fase mais fácil” e a “fase verdadeiramente difícil é a seguinte onde se vai escolher o modelo da próxima relação entre a União Europeia (UE) e o Reino Unido”. “É fundamental que se compreenda que seria muito mau para todos se houvesse uma saída descontrolada”, sublinhou.

Costa antecipou ainda que o Governo se reuniu esta terça-feira com o Conselho da Internacionalização, continuando a semana a reunir-se com outras estruturas sindicais e que, na próxima quinta-feira, apresentará as condições que visam garantir aos cidadãos britânicos que vivem em Portugal a permanência no país “com total segurança e estabilidade”. Além disso, será ainda criado um “mecanismo ágil de entrada para os turistas britânicos, em particular nos aeroportos de Faro e do Funchal”.

O primeiro-ministro ressalvou a “enorme dificuldade que uma saída descontrolada teria para o funcionamento da economia à escala global e europeia” e deixou o desejo de que “todos aqueles que votaram contra, amanhã sejam capazes de dizer à UE a alternativa que têm para pôr em cima da mesa”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Seria mau para todos se houvesse uma saída descontrolada”, diz António Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião