União Europeia multa Mastercard em 570 milhões de euros

  • Guilherme Monteiro
  • 22 Janeiro 2019

Bruxelas considera que a norte-americana do setor dos pagamentos violou as regras anti-concorrenciais no mercado único.

A União Europeia vai aplicar uma multa de 570 milhões de euros à empresa de pagamentos norte-americana Mastercard por violação das regras anticoncorrenciais, anunciou esta terça-feira a Comissão Europeia em comunicado.

Bruxelas considera que a empresa limitou a “possibilidade dos comerciantes beneficiarem de melhores condições oferecidas pelos bancos estabelecidos noutros estados-membros”. Ou seja, violou as leis antimonopólio e de abuso de posição dominante estabelecidas pela União Europeia.

A comissária responsável pela política de concorrência, Margrethe Vestager, explica que a empresa, ao “impedir os comerciantes de procurarem melhores condições oferecidas pelos bancos noutros Estados-Membros, aumentou artificialmente os custos dos pagamentos com cartão, prejudicando os consumidores e os comerciantes na UE”.

Na prática, a Mastercard criou entraves aos comerciantes no acesso a serviços transfronteiriços de pagamento por cartão. Os comerciantes, aqueles sobre quem recaem as taxas cobradas pelas empresas de pagamentos, eram obrigados a pagar as taxas do país onde estão estabelecidos, ficando impedidos de beneficiarem de melhores condições noutros países do euro.

A União Europeia abriu uma investigação formal em 2013, mas foi dois anos depois, em 2015, que o processo teve início. Nesse mesmo ano, entrou em vigor um regime que introduz limites para as comissões cobradas em pagamentos com cartão.

A Mastercard é a segunda maior emissora de cartões no mercado único europeu, sendo um método de pagamento fundamental na União Europeia, visto que metade dos pagamentos efetuados por empresas e consumidores são feitos através de cartão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

União Europeia multa Mastercard em 570 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião