Brexit: Airbus ameaça sair do Reino Unido se não houver acordo

  • Lusa
  • 24 Janeiro 2019

Se o divórcio do Reino Unido da União Europeia acontecer sem acordo, a Airbus ameaça mudar-se para outro país. A empresa diz que "pode ser forçada a redirecionar futuros investimentos".

O presidente da Airbus pediu, esta quinta-feira, ao Reino Unido para esclarecer a sua posição sobre o Brexit e alertou que se a saída da União Europeia for feita sem acordo poderá levar a companhia a mudar-se para outros países.

Numa mensagem divulgada pela gigante europeia de aeronáutica e defesa, Tom Enders destacou que “estão errados” aqueles que dizem que, como a Airbus tem grandes fábricas no Reino Unido, vai ali ficar “para sempre”.

Embora tenha admitido que não é possível mudar estas fábricas “no imediato”, sublinhou que o setor aeroespacial é um negócio de longo prazo e que a Airbus “pode ser forçada a redirecionar futuros investimentos em caso de saída [da UE] sem acordo”.

“Há muitos países que adorariam construir asas para os aviões da Airbus”, acrescentou o responsável, referindo-se à principal atividade que o consórcio europeu tem em território britânico.

A Airbus tem uma equipa de mais de 14.000 pessoas no Reino Unido e há cerca de 110.000 empregos que dependem de seus programas, que geram cerca de 6.000 milhões de libras (cerca de 6.900 milhões de euros) de faturação anual.

O presidente do fabricante europeu disse que, devido à atual situação de incerteza, “o setor aeroespacial britânico está à beira do precipício”, sublinhando que “o Brexit está a ameaçar destruir um século de desenvolvimento baseado na educação, investigação e capital humano”. É por isso que, se a saída da UE for feita sem um acordo, a Airbus “teria que tomar decisões muito negativas para o Reino Unido”.

Tom Enders argumentou ainda que, “numa economia global, o Reino Unido não pode seguir por conta própria”. “Os grandes projetos aeroespaciais são empresas multinacionais”, acrescentou.

O responsável criticou o facto de mais de dois anos após o referendo de 2016 sobre o Brexit as empresas sejam incapazes de planear o seu futuro, porque não sabem como é que a saída se vai materializar, e lembrou que a sua empresa, como muitas outras, pediu repetidamente “clareza”.

O presidente do ‘número dois’ mundial da aviação – depois da norte-americana Boeing – indicou que este mercado cresce a uma taxa de 5% ao ano e que o seu grupo “não depende do Reino Unido” para o seu futuro e sobreviverá em qualquer condição.

“A questão é se o Reino Unido quer fazer parte desse futuro de sucesso”, para o qual o Brexit deve acontecer de maneira ordenada, resumiu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit: Airbus ameaça sair do Reino Unido se não houver acordo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião