Inteligência artificial na arte “abre criatividade a novas possibilidades”

  • Lusa
  • 26 Janeiro 2019

O artista Leonel Moura defende que a inteligência artificial "pode abrir a criatividade humana a novas possibilidades" aplicadas à arte, que considera estar dominada por "conceitos obsoletos".

O artista Leonel Moura defende que a inteligência artificial “pode abrir a criatividade humana a novas possibilidades” aplicadas à arte, que considera estar dominada por “conceitos obsoletos” que permanecem no século XX.

Artista pioneiro nesta área, em Portugal, Leonel Moura dedica-se à experimentação da robótica na arte há mais de vinte anos e, em outubro do ano passado, o primeiro desenho original criado por um dos seus robôs foi vendido em leilão, por 5.000 euros, em Lisboa.

“Fiquei muito surpreendido porque em Portugal ainda não há colecionismo nem grande interesse por este tipo de arte“, disse, comentando que o meio artístico do país “é ainda muito conservador, e continua a fazer e a vender arte nos pressupostos do século XX”.

Mas o século XXI tem assistido ao interesse crescente pela inteligência artificial, com as máquinas a tornarem-se cada vez mais inteligentes e autónomas, e a serem aplicadas em várias áreas da vida, além da indústria, transportes e comunicações, também na saúde, e diversos serviços do quotidiano.

O mundo da arte não ficou alheio à inteligência artificial e, no ano passado, também foi feita a primeira venda, pela leiloeira internacional Christie’s, de uma obra criada por um grupo de estudantes através de um software. A tela criada por um logaritmo gerou uma inesperada febre de licitações, e os esperados dez mil euros passaram para cerca de 450 mil, um valor que gerou polémica no meio artístico.

Contactado pela agência Lusa sobre estas vendas inéditas, em leilão, de obras criadas por inteligência artificial, Leonel Moura comentou que, apesar do interesse ainda ser reduzido, vai aumentar: “Não tenho qualquer dúvida de que vai crescer”.

O mundo da arte está muito atrasado nesta área, e a situação é dramática. Os museus continuam a programar exposições sem pensar nos avanços da ciência, as galerias de arte são obsoletas porque são uma espécie de mercearias da arte que já não fazem sentido”, avaliou. Na opinião do artista, a gravidade desta situação tem a ver com “os jovens procurarem hoje uma relação completamente diferente com a cultura”.

Leonel Moura – que gostaria de ver mais “ousadia” no mundo da arte – considera que a aplicação de tecnologias nesta área se resume quase só aos vídeos. “É um processo lento porque qualquer mudança no mundo da arte cria sempre resistências”, observou.

A obra de Leonel Moura vendida em leilão intitula-se “SP0008”, e é uma pintura de 30 por 30 centímetros realizada em acrílico sobre papel, e está assinada e datada de 10 de janeiro de 2002. “Os robôs que eu uso para criar arte não têm uma programação específica. São autónomos em todo o sentido da palavra. O autor desta obra foi um dos primeiros que eu criei”, recordou.

O artista explicou que a inteligência artificial dos robôs que usa é baseada no comportamento de formigas, que comunicam entre si através da libertação de feromonas. “Dou regras simples aos robôs, que são equipados com sensores às cores, e é a elas que reagem. Eles não são programados para criar algo pré determinado. À medida que vão criando, e verificando o que fazem, tomam decisões para fazer o que se segue”, descreveu.

O artista quis, desde o início deste tipo de trabalho, provar que “a criatividade não é um exclusivo do ser humano”, e, desta forma, questionar o mundo da arte. “O papel do artista não é só criar. Também é questionar e contribuir para ampliar o campo da arte. Ser um visionário”, opinou.

O próximo projeto do artista é colocar a arte no espaço: em fevereiro vai apresentar um projeto para criar um cometa artificial para orbitar a terra, que seria ele próprio uma obra de arte.

“A ideia é criar um cometa com uma cauda extremamente brilhante, que reflete 97 por cento da luz do sol e pode ser visto de qualquer ponto da Terra”, disse Leonel Moura, justificando que o projeto não visa apenas colocar arte no espaço, mas também “dar uma sensação de mais unidade às pessoas, como habitantes do planeta, em igualdade”. Para concretizar o projeto já fez alguns contactos com a Agência Espacial Europeia, e irá “desafiar Portugal” a apoiar esta iniciativa.

Em março do ano passado, o artista português apresentou um conjunto de robôs pintores, de sua autoria, numa exposição sobre o uso destas máquinas na arte, realizada no Grand Palais, em Paris.

A mostra constituiu uma das primeiras abordagens museológicas desta nova forma de arte, e reuniu obras de alguns artistas que foram precursores mundiais, como Jean Tinguely, e outros nomes, como Nicolas Schöffer, Patrick Tresset, So Kanno, Takahiro Yamaguchi, J. Lee Thompson e Arcangelo Sassolino. Intitulada “Artistes & Robots”, incluiu um conjunto de robôs de Leonel Moura que criavamm, em tempo real e de forma autónoma, pinturas originais.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inteligência artificial na arte “abre criatividade a novas possibilidades”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião