Banca portuguesa está atrasada na digitalização. Fica para trás na inteligência artificial e na blockchain

  • ECO
  • 5 Novembro 2018

Apesar de os bancos nacionais acreditarem que investir na digitalização é importante, a maioria ainda não pôs em prática esta intenção, concluiu um estudo da consultora Roland Berger.

Os bancos nacionais precisam de investir mais na tecnologia e, sobretudo, nos seus quadros, concluiu a consultora Roland Berger, após um estudo sobre a digitalização. Embora o país seja um dos que considera que estes passos são importantes para uma maior digitalização, continua sem os pôr em prática, acabando por ficar em desvantagem face aos pares europeus. Inteligência artificial e blockchain são duas das maiores fraquezas das instituições portuguesas, concluiu o mesmo estudo.

“A corrida pela digitalização não é uma corrida de fundo, mas de velocidade, e os bancos portugueses ainda estão ainda a aquecer para esta corrida, que se fará cada vez mais à escala internacional”, diz a consultora alemã no estudo “The digitalization race: Can financial service providers hack the pace?”.

Atualmente, os bancos nacionais optam por um modelo que permite “acelerar esse processo” através da “coordenação centralizada num departamento único com reporte direto ao CEO/ CDO”, explica Luís Baptista, responsável para a área financeira da Roland Berger, ao Jornal de Negócios (acesso condicionado). Para o especialista, a visão global de toda a estrutura é a que permite ter maior probabilidade de sucesso. Isto porque, em Portugal, os bancos não alargaram as oportunidades digitais a todo o negócio.

Em números, 83% dos bancos nacionais incluídos no estudo indicam que estão já a (ou decidiram) implementar a digitalização em toda a cadeia de produção. Mas, embora o país esteja inserido nos 15% que dizem que tal passo faz parte da agenda estratégica, ainda não concretizou essa intenção.

O setor bancário nacional olha para o modelo de negócio fechado, sem produtos externos, enquanto mais de 60% dos pares europeus já olham para “open banking“, diz o estudo. Para além disso, “em particular, em Portugal, destaca-se o atraso em áreas como inteligência artificial ou blockchain, onde a generalidade dos bancos portugueses não tem uma visão definida ou iniciativas em curso, apesar de reconhecerem o seu impacto transformacional”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca portuguesa está atrasada na digitalização. Fica para trás na inteligência artificial e na blockchain

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião