Advogados da Raposo Subtil lançam obra sobre direito penal

Miguel Matias e João Luz Soares, em conjunto com o investigador Ricardo Rodrigues, lançaram a obra "Legislação de Direito Penal-Sancionatório Económico-Financeiro e Diplomas Conexos".

Os advogados Miguel Matias e João Luz Soares, da equipa de direito penal e compliance da Raposo Subtil e Associados (RSA), em conjunto com o investigador Ricardo Rodrigues, da Universidade de Coimbra, lançaram a obra “Legislação de Direito Penal-Sancionatório Económico-Financeiro e Diplomas Conexos”. A obra conta com a chancela da AAFDL Editora e o apoio da RSA.

Para os autores, o objetivo do livro passou por “criar uma legislação desempoeirada que possa ser um contributo útil para todos, e que, atento o espetro extenso dos temas, possa funcionar como uma realização íntima entre autores eleitores”, afirmam em comunicado.

Sobre o que motivou o lançamento desta obra, João Luz Soares diz que “tem existido uma consideração tradicional de abordagem privilegiada do direito penal primário em detrimento dos novos veios de desenvolvimento do direito penal secundário”, afirma em comunicado. “Talvez por isso é que as legislações e compilações existentes, até à data, nunca tenham tido como objetivo, pelo menos assumido explicitamente, seguir quaisquer passos no sentido da sistematização e organização desta(s) nova(s) temática(s)”, refere.

Já Miguel Matias sublinha que “a RSA sempre teve como ADN distintivo a preocupação consciente na produção de obras científicas nas mais diversas áreas do direito que, por um lado, atestassem e sedimentassem o know-how atingido pelas equipas integrantes do projeto institucional, mas que pudessem também constituir um contributo útil na discussão e evolução dos temas fraturantes do direito”.

Miguel Matias tem desenvolvido uma intensa atividade ao nível do direito penal, quer como coordenador do departamento da mesma área e de compliance da RSA Advogados, quer como mandatário em processos de especial complexidade. Foi ainda representante da Ordem de Advogados, da qual foi vice-presidente, em comissões.

João Luz Soares é licenciado pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e mestre em Direito Penal pela mesma instituição. Tem vários artigos publicados em revistas da especialidade, para além publicar com regularidade na imprensa textos de opinião ligados ao Direito.

Já Ricardo Rodrigues é Investigador-Doutorando do Instituto Jurídico da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Mestre e Licenciado em Direito.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Advogados da Raposo Subtil lançam obra sobre direito penal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião