Miguel Matias na Raposo Subtil para liderar Direito Penal

A Raposo Subtil e Associados estruturou um departamento inteiramente dedicado ao Direito Penal e Compliance liderado pelo novo sócio da RSA, Miguel Matias.

A Raposo Subtil e Associados, Sociedade de Advogados, SP, RL (RSA Advogados) estruturou um departamento inteiramente dedicado ao Direito Penal e Compliance, e que é liderado pelo novo sócio da RSA, Miguel Matias. Para além deste causídico, com uma vasta experiência em Direito Penal, não só em Portugal como também em Angola, a equipa de Penal e Compliance é constituída pelos advogados Manuel Nobre Correia e João Luz Soares.

Desta forma, a RSA passa a contar com uma equipa disponível para assessoria e patrocínio forense em todas as instâncias penais e contraordenacionais (direito sancionatório), com relevância ao nível dos ilícitos fiscais, económicos, financeiros e de compliance. As empresas e instituições clientes da RSA, no desenvolvimento das suas atividades, assim como os seus administradores e sócios, em face da rigorosa regulamentação legal vigente, têm assegurada uma proteção jurídica permanente nas vertentes preventiva e de representação judicial.

Para Miguel Matias, é claro que “hoje, temos de estar ao lado dos clientes desde a primeira hora, impedindo erros e evitando processos”. No mesmo sentido, afirma que “hoje, a defesa de vítimas e acusados em processos de natureza criminal continua a ser da máxima relevância, mas existem outras dimensões ao nível do direito sancionatório também vitais”. E reforça: “uma visão mais ampla dos regimes sancionatórios, na vertente preventiva e de representação processual, é indispensável para acompanharmos os clientes no espaço lusófono e evitarmos contingências ao nível dos ilícitos de natureza regulamentar, fiscal e contraordenacional”.

Este novo departamento conta agora com a estrutura da Rede de Serviços de Advocacia de Língua Portuguesa (RSA LP), que foi fundada pela RSA Advogados, para responder às solicitações dos clientes não só numa área mais ampla do que o direito criminal, mas também numa área geográfica que envolve escritórios de advogados de vários países lusófonos.

Miguel Matias tem desenvolvido uma intensa atividade ao nível do Direito Penal, quer como mandatário em processos de especial complexidade, quer como representante da Ordem de Advogados, de que é vice-presidente, em comissões.

Manuel Nobre Correia formou-se na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra em 1989 e para além do contencioso penal e contraordenacional, tem ainda como área preferencial o contencioso civil. João Luz Soares, também formado na mesma faculdade em Coimbra, é ainda Mestre em Direito Penal e co-autor do livro Insider Trading – Do Crime de Abuso de Informação Privilegiada.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Miguel Matias na Raposo Subtil para liderar Direito Penal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião