Já pode ligar o cartão Lisboa VIVA ao seu cartão bancário

A partir desta terça-feira já pode associar o cartão dos transportes de Lisboa ao cartão bancário. Se não tiver um título de transporte, poderá viajar na mesma: o valor da viagem é debitado na conta.

Já pode associar um cartão Lisboa VIVA ao seu cartão bancário. O custo das viagens é depois debitado automaticamente na sua conta.Hugo Amaral/ECO

Os cartões dos transportes públicos da região da Grande Lisboa já podem ser associados a um cartão bancário. Assim, se é utilizador da rede VIVA, poderá fazer viagens em regime de cobrança “pós-pago”, sendo o valor debitado automaticamente na sua conta. O serviço chama-se VIVA Go e foi lançado esta terça-feira, tendo nascido de uma parceria entre a Otlis (a empresa que gere os transportes na região) e a SIBS (a gestora da rede Multibanco).

“Trata-se de uma nova forma de pagamento da mobilidade segundo um modelo pós-pago, que debita diretamente na conta bancária do titular o valor de cada viagem, apenas e quando efetuada”, explica a Otlis. O serviço permite aos aderentes, desta forma, viajarem sem a “necessidade de efetuarem um carregamento prévio do título de transporte, seja passe ou zapping, ou sem terem carregado um bilhete no ponto de venda”.

Para os aderentes ao VIVA Go que tenham já adquirido viagens ocasionais ou tenham passes carregados num determinado cartão, o débito na conta bancária não acontece. Só é debitado um valor “como alternativa sempre que não existam outros contratos tarifários válidos no tempo e no espaço pretendido”, frisa a empresa pública. “Os sistemas dos operadores darão prioridade aos títulos de transporte destinados a uma utilização frequente, como os passes carregados, e não à modalidade VIVA Go”, tranquiliza a Otlis.

A empresa apresentou a nova solução esta terça-feira, num evento no Museu da Carris, em Lisboa. Segundo o presidente do conselho de administração da Otlis, Tiago Lopes Farias, existem atualmente dois milhões de cartões Lisboa VIVA em circulação, sendo que a empresa regista uma emissão anual de 300 mil passes por ano.

Nesse período, a empresa vende mais de 14 milhões de cartões VIVA Viagem e o sistema VIVA regista 60 milhões de transações e 700 milhões de validações nos pontos dos operadores de transporte. O sistema ocupa já 1 TB de espaço de armazenamento em disco, de acordo com o mesmo gestor.

O vereador Miguel Gaspar (à esquerda) e o presidente da Otlis, Tiago Lopes Farias (à direita), testaram o serviço VIVA Go na apresentação que decorreu no Museu da Carris, em Lisboa.Hugo Amaral/ECO

Concurso para duplicar rede de elétricos avança “este ano”, garante vereador

“Estamos a mudar o sistema de transportes”, considerou esta terça-feira o vereador Miguel Gaspar, que tem a pasta da mobilidade e dos transportes públicos na Câmara Municipal de Lisboa. Em substituição do presidente Fernando Medina, que não marcou presença como estava previsto, o vereador garantiu que “há cada vez mais autocarros na cidade” e lembrou o plano de “mais de 100 milhões de euros” para renovação da frota da Carris.

Miguel Gaspar garantiu também que “este ano” será lançado o concurso público para “mais do que duplicar” o número de elétricos em circulação na cidade.

Miguel Gaspar, vereador da Mobilidade e dos Transportes Públicos da Câmara Municipal de Lisboa, na apresentação da solução VIVA Go.Hugo Amaral/ECO

“Sem o sistema de transportes públicos a funcionar bem, não há uma alternativa de mobilidade em Lisboa”, defendeu o autarca, avisando que o regime “pós-pago” nos transportes públicos da Área Metropolitana de Lisboa é uma “brutal alteração de paradigma”. “É dizer ‘eu confio no meu cliente: viaja primeiro e paga depois'”, atirou Miguel Gaspar.

(Notícia atualizada às 11h28 com declarações do vereador Miguel Gaspar)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já pode ligar o cartão Lisboa VIVA ao seu cartão bancário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião