Eles têm as marcas aos seus pés. Saiba quem são os dez youtubers mais influentes de Portugal

Se, por um lado, atraem milhões de seguidores, por outro, as marcas não os largam. Entre gostos, partilhas, eventos, presenças e patrocínios, conheça os influenciadores digitais mais "cobiçados".

Contam com milhões de seguidores nas redes sociais, produzem novos conteúdos todas as semanas e têm um poder imenso de influenciar o comportamento e consumo, tanto de miúdos como de graúdos. De olho neles estão as marcas, que já se aperceberam do potencial destes influenciadores digitais que utilizam o YouTube para chegar ao seu público. E, entre gostos, partilhas e falatório, os youtubers vão faturando muitos euros com presenças, patrocínios e parcerias.

Contudo, nem todos os que se aventuram pelo YouTube conseguem alcançar um nível de influência que capte, de facto, a atenção das marcas. De acordo com a Forbes Portugal, no primeiro lugar do pódio dos youtubers portugueses mais influentes está Paulo Borges, mais conhecido por Wuant, nas redes.

Prova disso é, por exemplo, o vídeo que o youtuber publicou recentemente sobre o Artigo 13, relativo aos direitos de autor nas plataformas digitais. Deu-lhe o nome “O meu canal vai ser apagado” e o impacto foi enorme, chegando mesmo a ser notícia em vários órgãos de comunicação, não só em Portugal. O vídeo, além das 1.868.124 visualizações, mereceu, também, resposta por parte da representante da Comissão Europeia em Portugal.

Mia Rose é outro exemplo disto mesmo. A influenciadora, ainda que não se encontre entre os youtubers com maior número de subscritores, é considerada uma das que consegue maior aderência comercial entre as marcas. Cerca de 60% dos seus vídeos são patrocinados, um número três vezes mais do que a média dos vinte maiores youtubers nacionais.

O ranking estabelecido pela Forbes procurou identificar os nomes com maior dimensão para as marcas, tendo em conta, não só o número de subscritores nas principais redes sociais, mas também a atividade e interação com o público, desde gostos, a comentários ou partilhas. As marcas, contudo, não ficaram de fora, sendo que, para o cálculo do nível de influência, foi tido, também, em consideração a percentagem de vídeos e publicações patrocinadas, tal como as campanhas publicitárias ou participações em eventos.

Saiba quem são os dez influenciadores digitais do mercado nacional mais “cobiçados” pelas marcas:

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Eles têm as marcas aos seus pés. Saiba quem são os dez youtubers mais influentes de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião