O status virtual dos influencers como moeda corrente

  • Patrícia Soares da Costa
  • 18 Fevereiro 2018

Com o aumento de ad blockers e o declínio de audiências de TV, o marketing de influências fortalece o seu estatuto como a forma mais eficaz de publicidade. 

Em 2017, a pesquisa no Google por “influencer marketing” cresceu 325%, e o número de agências e plataformas de seleção e contratação, duplicou.

É o método de aquisição de clientes que mais cresce, e são os jovens e, particularmente, a Geração Z, os mais vulneráveis a estes “ídolos virtuais”, e os que mais sentem o impacto destas recomendações nas suas decisões de compra. Em média, gera 7 euros ganhos, em media value, por cada euro gasto. Em casos específicos como a indústria alimentar, esse valor pode subir até aos 14 euros.

O mercado negro do social media

É uma atividade que move milhões de euros e para a qual não existe nenhum tipo de controlo ou regulação. Mais, as próprias marcas não investigam a qualidade dos dados do influencer em quem investem.

Várias marketing stunts têm-se baseado nesta displicência. A mais recente, uma experiência da agência espanhola H2H, demonstrou como o crescimento artificial de um influencer é fácil, barato, e está ao alcance de qualquer um. Mas, mais grave, como é fácil enganar as marcas com uma fraude.

A “Operação Sereia” criou uma falsa influencer, insuflada artificialmente com a compra de seguidores e reações. Alcançou os 100 mil seguidores fantasma, e recebeu propostas de numerosas empresas: produtos, roupas, estadias em hotéis e refeições.

A lição? Valorizar a qualidade dos seguidores, face à quantidade. É indiscutível a visibilidade de grandes figuras como Cristiano Ronaldo. No entanto, dos seus 69 milhões de seguidores no Twitter, 95% são contas falsas ou inativas, tal como com Selena Gómez e Katy Perry.

As “fábricas de seguidores”

Empresas como a Devumi, “aceleradores de crescimento social” e principal recurso para quem o status é tudo, operam 3,5 milhões de contas automatizadas com bots, tendo gerado aos seus clientes mais de 200 milhões de seguidores. Um simples investimento de 500 euros pode comprar 10 mil seguidores.

8% das contas Instagram são falsas. 48 milhões de utilizadores do Twitter (aproximadamente 15%) são contas automatizadas para simular pessoas reais. No Facebook são 60 milhões. Milhares destas contas recorrem até ao “roubo de identidade social”, apropriando-se de nome, fotos e detalhes pessoais de contas reais.

Mais importante do que a quantidade é gerar receita.

Para acompanhar a dispersão de interesses (e logo, de influências) do consumidor, surgem também os micro-influenciadores, que pressupõem um investimento mais pequeno e uma boa conversão, com taxas de engagement cinco vezes superiores às contas com 100 mil seguidores.

Um formador de opinião tem de gerar conteúdo de qualidade e ser reconhecido. Os consumidores cada vez mais procuram autenticidade, ir para além da cosmética da publicação e ver a pessoa real, e como foi o seu dia: os stories, os live vídeos, as suas experiências reais.

Os anunciantes devem procurar a mesma autenticidade para construir uma relação mais sólida com a sua audiência, e:

  1. analisar os recursos do influencer em causa
  2. monitorizar e controlar as suas campanhas.

Há ferramentas que ajudam a fazer esse diagnóstico, e é aconselhável que a presença de contas falsas seja inferior a 10% do total de seguidores. Se menos de 20% dos visitantes se convertem em leads, a sua campanha pode estar a ser mascarada artificialmente para parecer um sucesso.

Campanhas mais significativas e eficientes?

Os influencers devem prestar contas e apresentar resultados mensuráveis em relação ao investimento. Os anunciantes têm à sua disposição dados e tecnologia para analisar o influencer, e para monitorizar a resposta da audiência e medir o seu impacto e conversão em vendas.

No entanto, os algoritmos não são a salvação. Uma marca forte e um produto inovador, uma boa concretização e uma boa comunicação, são.

  • Patrícia Soares da Costa

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O status virtual dos influencers como moeda corrente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião