O status virtual dos influencers como moeda corrente

  • Patrícia Soares da Costa
  • 18 Fevereiro 2018

Com o aumento de ad blockers e o declínio de audiências de TV, o marketing de influências fortalece o seu estatuto como a forma mais eficaz de publicidade. 

Em 2017, a pesquisa no Google por “influencer marketing” cresceu 325%, e o número de agências e plataformas de seleção e contratação, duplicou.

É o método de aquisição de clientes que mais cresce, e são os jovens e, particularmente, a Geração Z, os mais vulneráveis a estes “ídolos virtuais”, e os que mais sentem o impacto destas recomendações nas suas decisões de compra. Em média, gera 7 euros ganhos, em media value, por cada euro gasto. Em casos específicos como a indústria alimentar, esse valor pode subir até aos 14 euros.

O mercado negro do social media

É uma atividade que move milhões de euros e para a qual não existe nenhum tipo de controlo ou regulação. Mais, as próprias marcas não investigam a qualidade dos dados do influencer em quem investem.

Várias marketing stunts têm-se baseado nesta displicência. A mais recente, uma experiência da agência espanhola H2H, demonstrou como o crescimento artificial de um influencer é fácil, barato, e está ao alcance de qualquer um. Mas, mais grave, como é fácil enganar as marcas com uma fraude.

A “Operação Sereia” criou uma falsa influencer, insuflada artificialmente com a compra de seguidores e reações. Alcançou os 100 mil seguidores fantasma, e recebeu propostas de numerosas empresas: produtos, roupas, estadias em hotéis e refeições.

A lição? Valorizar a qualidade dos seguidores, face à quantidade. É indiscutível a visibilidade de grandes figuras como Cristiano Ronaldo. No entanto, dos seus 69 milhões de seguidores no Twitter, 95% são contas falsas ou inativas, tal como com Selena Gómez e Katy Perry.

As “fábricas de seguidores”

Empresas como a Devumi, “aceleradores de crescimento social” e principal recurso para quem o status é tudo, operam 3,5 milhões de contas automatizadas com bots, tendo gerado aos seus clientes mais de 200 milhões de seguidores. Um simples investimento de 500 euros pode comprar 10 mil seguidores.

8% das contas Instagram são falsas. 48 milhões de utilizadores do Twitter (aproximadamente 15%) são contas automatizadas para simular pessoas reais. No Facebook são 60 milhões. Milhares destas contas recorrem até ao “roubo de identidade social”, apropriando-se de nome, fotos e detalhes pessoais de contas reais.

Mais importante do que a quantidade é gerar receita.

Para acompanhar a dispersão de interesses (e logo, de influências) do consumidor, surgem também os micro-influenciadores, que pressupõem um investimento mais pequeno e uma boa conversão, com taxas de engagement cinco vezes superiores às contas com 100 mil seguidores.

Um formador de opinião tem de gerar conteúdo de qualidade e ser reconhecido. Os consumidores cada vez mais procuram autenticidade, ir para além da cosmética da publicação e ver a pessoa real, e como foi o seu dia: os stories, os live vídeos, as suas experiências reais.

Os anunciantes devem procurar a mesma autenticidade para construir uma relação mais sólida com a sua audiência, e:

  1. analisar os recursos do influencer em causa
  2. monitorizar e controlar as suas campanhas.

Há ferramentas que ajudam a fazer esse diagnóstico, e é aconselhável que a presença de contas falsas seja inferior a 10% do total de seguidores. Se menos de 20% dos visitantes se convertem em leads, a sua campanha pode estar a ser mascarada artificialmente para parecer um sucesso.

Campanhas mais significativas e eficientes?

Os influencers devem prestar contas e apresentar resultados mensuráveis em relação ao investimento. Os anunciantes têm à sua disposição dados e tecnologia para analisar o influencer, e para monitorizar a resposta da audiência e medir o seu impacto e conversão em vendas.

No entanto, os algoritmos não são a salvação. Uma marca forte e um produto inovador, uma boa concretização e uma boa comunicação, são.

  • Patrícia Soares da Costa

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O status virtual dos influencers como moeda corrente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião