Dívida dá trambolhão em dezembro com cheque ao FMI. Cai para 244,9 mil milhões, mas fica acima de 2017

A dívida pública baixou em dezembro devido ao reembolso final ao FMI. No entanto, ficou acima do valor de fecho de 2017. Governo acertou na previsão para a dívida acumulada.

A dívida pública baixou entre novembro e dezembro do ano passado para 244,9 mil milhões de euros, revelou o Banco de Portugal esta sexta-feira, influenciada pelo pagamento da dívida de Portugal ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Porém, o stock da dívida que corresponde ao fecho de 2018 ficou acima do valor registado no final de 2017. O valor final é igual à meta do Governo.

“No final de 2018, a dívida pública situou-se em 244,9 mil milhões de euros, aumentando 2,1 mil milhões de euros em relação a 2017“, lê-se no comunicado do Banco de Portugal.

Em novembro, a dívida pública acumulada voltou a bater um novo recorde pelo segundo mês seguido, ao atingir os 251,5 mil milhões de euros. O pagamento de 4.700 milhões de euros ao FMI só aconteceu em dezembro. Com este pagamento, Portugal liquidou a totalidade da dívida que tinha contraído junto do Fundo quando pediu o resgate internacional em 2011.

Dívida pública afunda em dezembro. Está acima de 2017

Esta redução na reta final do ano não foi, porém, suficiente para alterar a trajetória anual de aumento da dívida. No final de 2017, a dívida pública terminou em 242,8 mil milhões de euros.

“Para este aumento contribuiu o acréscimo dos títulos de dívida (de 7,2 mil milhões de euros) e dos certificados do Tesouro (de 1,4 mil milhões de euros)”, diz o banco, acrescentando que “estas variações foram em parte compensadas pelo reembolso antecipado do remanescente dos empréstimos concedidos pelo Fundo Monetário Internacional no âmbito do Programa de Assistência Económica e Financeira no montante de 5,5 mil milhões de euros”.

Em setembro, quando Portugal enviou para o Eurostat o reporte ao abrigo do Procedimento por Défices Excessivos, o Instituto Nacional de Estatística (INE) comunicou uma previsão de stock da dívida de 244,9 mil milhões de euros. Esta projeção é da responsabilidade do Ministério das Finanças e foi elaborada com base no cenário macroeconómico subjacente ao Programa de Estabilidade de abril de 2018.

No entanto, o rácio da dívida medido em percentagem do produto interno bruto (PIB) deverá reduzir-se. O Governo prevê que a dívida em percentagem do PIB passe de 124,8% em 2017 para 121,2% em 2018.

A instituição acrescenta que “os ativos em depósitos das administrações públicas diminuíram 3,2 mil milhões de euros em 2018, pelo que a dívida pública líquida de depósitos registou um acréscimo de 5,3 mil milhões de euros em relação ao ano anterior, totalizando 228,3 mil milhões de euros”.

(Notícia atualizada às 11h34 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida dá trambolhão em dezembro com cheque ao FMI. Cai para 244,9 mil milhões, mas fica acima de 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião