Dívida dá trambolhão em dezembro com cheque ao FMI. Cai para 244,9 mil milhões, mas fica acima de 2017

A dívida pública baixou em dezembro devido ao reembolso final ao FMI. No entanto, ficou acima do valor de fecho de 2017. Governo acertou na previsão para a dívida acumulada.

A dívida pública baixou entre novembro e dezembro do ano passado para 244,9 mil milhões de euros, revelou o Banco de Portugal esta sexta-feira, influenciada pelo pagamento da dívida de Portugal ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Porém, o stock da dívida que corresponde ao fecho de 2018 ficou acima do valor registado no final de 2017. O valor final é igual à meta do Governo.

“No final de 2018, a dívida pública situou-se em 244,9 mil milhões de euros, aumentando 2,1 mil milhões de euros em relação a 2017“, lê-se no comunicado do Banco de Portugal.

Em novembro, a dívida pública acumulada voltou a bater um novo recorde pelo segundo mês seguido, ao atingir os 251,5 mil milhões de euros. O pagamento de 4.700 milhões de euros ao FMI só aconteceu em dezembro. Com este pagamento, Portugal liquidou a totalidade da dívida que tinha contraído junto do Fundo quando pediu o resgate internacional em 2011.

Dívida pública afunda em dezembro. Está acima de 2017

Esta redução na reta final do ano não foi, porém, suficiente para alterar a trajetória anual de aumento da dívida. No final de 2017, a dívida pública terminou em 242,8 mil milhões de euros.

“Para este aumento contribuiu o acréscimo dos títulos de dívida (de 7,2 mil milhões de euros) e dos certificados do Tesouro (de 1,4 mil milhões de euros)”, diz o banco, acrescentando que “estas variações foram em parte compensadas pelo reembolso antecipado do remanescente dos empréstimos concedidos pelo Fundo Monetário Internacional no âmbito do Programa de Assistência Económica e Financeira no montante de 5,5 mil milhões de euros”.

Em setembro, quando Portugal enviou para o Eurostat o reporte ao abrigo do Procedimento por Défices Excessivos, o Instituto Nacional de Estatística (INE) comunicou uma previsão de stock da dívida de 244,9 mil milhões de euros. Esta projeção é da responsabilidade do Ministério das Finanças e foi elaborada com base no cenário macroeconómico subjacente ao Programa de Estabilidade de abril de 2018.

No entanto, o rácio da dívida medido em percentagem do produto interno bruto (PIB) deverá reduzir-se. O Governo prevê que a dívida em percentagem do PIB passe de 124,8% em 2017 para 121,2% em 2018.

A instituição acrescenta que “os ativos em depósitos das administrações públicas diminuíram 3,2 mil milhões de euros em 2018, pelo que a dívida pública líquida de depósitos registou um acréscimo de 5,3 mil milhões de euros em relação ao ano anterior, totalizando 228,3 mil milhões de euros”.

(Notícia atualizada às 11h34 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida dá trambolhão em dezembro com cheque ao FMI. Cai para 244,9 mil milhões, mas fica acima de 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião