Dívida pública bate novo recorde antes de pagar ao FMI. Atinge os 251,5 mil milhões em novembro

Endividamento público fixou-se nos 251,5 mil milhões de euros em novembro, atingindo um novo máximo histórico, isto antes de Portugal ter pago os 4.700 milhões de euros que devia ao FMI.

A dívida pública voltou a bater novo recorde pelo segundo mês seguido. Atingiu os 251,5 mil milhões de euros em novembro, correspondendo a um aumento de 400 milhões face ao mês anterior, revela esta quarta-feira o Banco de Portugal. Mas o montante do endividamento público deverá dar um trambolhão em dezembro por causa do pagamento antecipado dos 4.700 milhões de euros que Portugal ainda devia ao Fundo Monetário Internacional (FMI).

Ao todo, a dívida pública na ótica de Maastricht (a que conta para Bruxelas usar no Procedimento dos Défices Excessivos), situou-se nos 251.476 milhões de euros no final do mês de novembro, de acordo com a nota de informação estatística divulgada pelo banco central. Foram mais 397 milhões de euros face a outubro, quando também tinha atingido um pico histórico.

A explicar este aumento estão as emissões de dívida pública que Portugal realizou no penúltimo mês de 2018. O IGCP levantou em novembro 1.250 milhões de euros em Obrigações do Tesouro a cinco e a dez anos, numa operação de financiamento que tinha um objetivo muito claro: reforçar a almofada de liquidez para no mês a seguir proceder ao reembolso antecipado ao FMI.

Foi o que veio a acontecer no dia 10 de dezembro, quando o ministro das Finanças confirmou que Portugal deixou de dever ao FMI o dinheiro que havia pedido em 2011 no âmbito do resgate financeiro ao país, numa operação que vai gerar uma poupança de 100 milhões de euros — ou 1.200 milhões considerando as devoluções antecipadas que Portugal foi fazendo nos últimos anos.

Na prática, a dívida pública subiu em novembro para dar muito provavelmente um trambolhão em dezembro perante a devolução dos 4.700 milhões que faltavam liquidar junto do FMI.

Dívida pública bate novo máximo

Fonte: Banco de Portugal

Aliás, no que toca à dívida pública em termos da riqueza produzida, os últimos dados disponíveis dizem respeito ao mês de setembro e colocam o rácio nos 125% do Produto Interno Bruto (PIB). Mas o Governo está a contar que o nível de endividamento público desça para 121,2% do PIB no final de 2018, segundo a meta que inscreveu no Orçamento do Estado para este ano.

Também a dívida pública líquida de depósitos das administrações públicas subiu em novembro, ascendendo aos 225 mil milhões de euros. O Banco de Portugal explica que “os ativos em depósitos das administrações públicas reduziram 200 milhões de euros, pelo que a dívida pública líquida de depósitos registou um acréscimo de 600 milhões de euros em relação ao mês anterior”.

(Notícia atualizada às 11h23)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida pública bate novo recorde antes de pagar ao FMI. Atinge os 251,5 mil milhões em novembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião