Democratas tentam acabar shutdown à revelia de muro de Trump

Os democratas do Congresso norte-americano têm um plano para acabar com o shutdown: vão passar o financiamento do Governo, pressionando o Senado e Donald Trump.

Os democratas assumem, na quinta-feira, o controlo do Congresso dos Estados Unidos, trazendo na mira o fim do shutdown parcial da administração federal norte-americana, avança a Bloomberg. O plano dos azuis é votar o financiamento do Governo, sem incluir a verba exigida por Donald Trump para construir um muro na fronteira com o México, deixando assim nas mãos dos republicanos do Senado a responsabilidade pelo arrastar desta paralisação.

Nas eleições de novembro, os democratas recuperaram a maioria na Câmara dos Representantes (a câmara mais alta dos Congresso), mantendo os republicanos o controlo do Senado.

Assim, embora esses últimos continuem a garantir que só aprovam um plano que receba “luz verde” da Casa Branca, os democratas do Congresso planeiam usar o seu novo poder para passar legislação que permita acabar com a paralisação do Governo norte-americano. Isto sem atender à exigência feita por Donald Trump e que está na origem deste shutdown: a atribuição de uma verba para a construção de um muro na fronteira com o México.

Se o Senado chumbar essa legislação aprovada pelo Congresso ficará, então, claro, explicaram o senador Chuch Schumer e a congressista Nancy Pelosi (ambos democratas), que os republicanos “são cúmplices do Presidente” nesta situação que tem feito “reféns” a “saúde e a segurança dos norte-americanos, bem como os salários dos trabalhadores” por causa do muro.

Esta estratégia deixa antever um período de grandes divisões políticas nos Estados Unidos. Se os republicanos do Senado rejeitarem a legislação aprovada pelos democratas do Congresso ficarão com a responsabilidade do arrastamento do shutdown, mas se derem “luz verde” a esses planos retirarão a Donald Trump alguma capacidade de fazer pressão para assegurar a verba necessária à construção do muro na fronteira com o México.

Assim, apesar dos democratas planearem terminar com a paralisação da administração federal no seu primeiro dia como maioria no Congresso, tal pode acabar por não acontecer. “É simples. O Senado não vai enviar ao Presidente algo que este não assinará”, já avisou o líder republicano do Senado, que adiantou que a estratégia dos azuis será certamente um “gesto vazio”.

Recorde-se que o shutdown em causa teve início a 22 de dezembro, havendo três formas de o desbloquear: Trump desiste do muro, os democratas cedem e atribuem a verba exigida ou ambas as partas fazem um acordo.

Mais de 800 mil funcionários federais estão a ser afetados pela paralisação de serviços da administração norte-americana, a terceira a acontecer 2018.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Democratas tentam acabar shutdown à revelia de muro de Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião