Portugal na mira das agências de rating em 8 dos 12 meses que aí vêm. Veja o calendário

As quatro maiores agências de notação financeira já publicaram as datas em que vão avaliar a dívida portuguesa. O próximo ano deverá, no entanto, ser de menor intensidade que o que termina.

Serão oito avaliações em oito meses do ano. Como é costume, Portugal vai voltar ao exame das agências de rating em 2019, após ter saído do “lixo” no ano que termina. Ultrapassada essa barreira, o ano deverá ser mais tranquilo no campo destas avaliações à dívida portuguesa. Com o malparado como calcanhar de Aquiles, a grande diferença para Portugal é o reembolso de toda a dívida ao Fundo Monetário Internacional (FMI).

As avaliações ao rating da dívida portuguesa começam no dia 15 de fevereiro, pela agência Moody’s. A seguinte é a Standard and Poor’s, a 15 de março, e a canadiana DBRS a 5 de abril. A Fitch é a última a realizar a primeira avaliação (de duas por cada instituição), no dia 24 de maio.

Entre as quatro principais agências — consideradas pelo Banco Central Europeu (BCE) para o programa de compra de ativos –, a DBRS foi a única que manteve o rating de Portugal em nível de investimento ao longo da crise, o que permitiu a Portugal integrar os estímulos monetários e, consequentemente, reduzir os custos de financiamento. As restantes três pares norte-americanas atiraram Portugal para grau especulativo.

Ao longo deste ano, houve, no entanto, uma mudança nesse campo, proporcionada pela redução no défice e saída do Procedimento por Défices Excessivos (PDE) da Comissão Europeia. Sete anos, três meses e dois dias depois, o país voltou em outubro de 2018 a contar com rating de investimento junto de todas estas agências.

Atualmente, a Fitch e a DBRS são as duas agências com melhor avaliação a Portugal, ambas no nível BBB com perspetiva estável, ou seja, dois degraus acima do ‘lixo’. Já a Moody’s — que avalia em Baa3 com outlook estável — e a Standard & Poor’s — que coloca em BBB- com outlook positivo — mantêm as duas Portugal apenas um nível acima desse limiar.

O facto de Portugal já ter recebido esse selo de qualidade, não significa que não possa haver alterações. Pela positiva, a República contará com a redução dos encargos com juros após o reembolso ao FMI, bem como com as quebras esperadas tanto no peso do défice como da dívida na economia.

Por outro lado, as quatro agências têm alertado para o elevado fardo do crédito malparado no sistema financeiro e para a necessidade de maiores reformas estruturais que reforcem a resiliência da economia numa altura de desaceleração da economia. No meio da segunda volta de avaliações, haverá ainda outro evento a marcar: as eleições legislativas que vão escolher o novo Governo.

Nesta fase, a ordem será a mesma. A Moody’s agendou para dia 9 de agosto, a Standard and Poor’s para 13 de setembro, a DBRS para dia 4 de outubro e a Fitch fecha o ciclo a 22 de novembro. Dos 12 meses do ano, apenas em quatro não estão agendadas avaliações de rating. Apesar de serem obrigadas pela regulação a apresentar um calendário, as agências não têm, no entanto, de divulgar relatórios pelo que as datas são apenas indicativas.

Avaliações ao rating de Portugal em 2019

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal na mira das agências de rating em 8 dos 12 meses que aí vêm. Veja o calendário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião