Portugal na mira das agências de rating em 8 dos 12 meses que aí vêm. Veja o calendário

As quatro maiores agências de notação financeira já publicaram as datas em que vão avaliar a dívida portuguesa. O próximo ano deverá, no entanto, ser de menor intensidade que o que termina.

Serão oito avaliações em oito meses do ano. Como é costume, Portugal vai voltar ao exame das agências de rating em 2019, após ter saído do “lixo” no ano que termina. Ultrapassada essa barreira, o ano deverá ser mais tranquilo no campo destas avaliações à dívida portuguesa. Com o malparado como calcanhar de Aquiles, a grande diferença para Portugal é o reembolso de toda a dívida ao Fundo Monetário Internacional (FMI).

As avaliações ao rating da dívida portuguesa começam no dia 15 de fevereiro, pela agência Moody’s. A seguinte é a Standard and Poor’s, a 15 de março, e a canadiana DBRS a 5 de abril. A Fitch é a última a realizar a primeira avaliação (de duas por cada instituição), no dia 24 de maio.

Entre as quatro principais agências — consideradas pelo Banco Central Europeu (BCE) para o programa de compra de ativos –, a DBRS foi a única que manteve o rating de Portugal em nível de investimento ao longo da crise, o que permitiu a Portugal integrar os estímulos monetários e, consequentemente, reduzir os custos de financiamento. As restantes três pares norte-americanas atiraram Portugal para grau especulativo.

Ao longo deste ano, houve, no entanto, uma mudança nesse campo, proporcionada pela redução no défice e saída do Procedimento por Défices Excessivos (PDE) da Comissão Europeia. Sete anos, três meses e dois dias depois, o país voltou em outubro de 2018 a contar com rating de investimento junto de todas estas agências.

Atualmente, a Fitch e a DBRS são as duas agências com melhor avaliação a Portugal, ambas no nível BBB com perspetiva estável, ou seja, dois degraus acima do ‘lixo’. Já a Moody’s — que avalia em Baa3 com outlook estável — e a Standard & Poor’s — que coloca em BBB- com outlook positivo — mantêm as duas Portugal apenas um nível acima desse limiar.

O facto de Portugal já ter recebido esse selo de qualidade, não significa que não possa haver alterações. Pela positiva, a República contará com a redução dos encargos com juros após o reembolso ao FMI, bem como com as quebras esperadas tanto no peso do défice como da dívida na economia.

Por outro lado, as quatro agências têm alertado para o elevado fardo do crédito malparado no sistema financeiro e para a necessidade de maiores reformas estruturais que reforcem a resiliência da economia numa altura de desaceleração da economia. No meio da segunda volta de avaliações, haverá ainda outro evento a marcar: as eleições legislativas que vão escolher o novo Governo.

Nesta fase, a ordem será a mesma. A Moody’s agendou para dia 9 de agosto, a Standard and Poor’s para 13 de setembro, a DBRS para dia 4 de outubro e a Fitch fecha o ciclo a 22 de novembro. Dos 12 meses do ano, apenas em quatro não estão agendadas avaliações de rating. Apesar de serem obrigadas pela regulação a apresentar um calendário, as agências não têm, no entanto, de divulgar relatórios pelo que as datas são apenas indicativas.

Avaliações ao rating de Portugal em 2019

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal na mira das agências de rating em 8 dos 12 meses que aí vêm. Veja o calendário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião