DBRS volta a avaliar rating de Portugal em abril

A agência canadiana marcou para 2019 duas avaliações do rating nacional. A primeira é a 5 de abril e a segunda a 4 de outubro. O rating que atribui atualmente está dois níveis acima do "lixo".

Dois meses após a última avaliação, a DBRS já marcou no calendário as datas em que pretende revisitar a dívida soberana nacional. A agência de notação financeira canadiana prevê fazer duas avaliações no próximo ano, a primeira em abril, deu conta esta segunda-feira.

A DBRS pretende pronunciar-se pela primeira vez a 5 de abril, tendo agendado ainda para 4 de outubro uma nova avaliação.

A agência de rating canadiana destacou-se por ter sido a única das consideradas pelo Banco central Europeu a segurar o rating português acima do nível de “lixo” durante a crise da dívida. Atualmente atribui à dívida soberana nacional uma classificação de “BBB”, dois níveis acima de “lixo”, com perspetiva “estável”. Ou seja, uma classificação que aponta para que não ocorra uma revisão positiva ou negativa nos próximos tempos.

Na última vez que olhou para o rating nacional — a 12 de outubro — a DBRS optou por não mexer nessa avaliação, explicando a sua posição com os riscos moderados apresentados por Portugal.

“A confirmação desta perspetiva ‘estável’ reflete a visão da DBRS de que os riscos ao rating estão globalmente equilibrados”, dizia a agência numa nota enviada naquela ocasião e a escassos dias de o Governo apresentar a sua proposta de Orçamento do Estado para 2019.

Na altura, a agência canadiana divulgou ainda as suas previsões para a evolução da economia portuguesa, mantendo um cenário de crescimento do PIB de 2,3%, este ano. Numa nota de 15 de outubro, afirmava que os riscos que ameaçam as perspetivas de crescimento de curto prazo “aumentaram e são sobretudo de natureza externa, relacionados com um agravamento mais acentuado do que o esperado das condições financeiras e com a escalada do protecionismo comercial”.

Alertava ainda que “o rácio da dívida, que se espera que recue para perto dos 120% do PIB este ano, continua alto e deixa as finanças públicas vulneráveis a choques negativos”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

DBRS volta a avaliar rating de Portugal em abril

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião