Expansão da Adidas na Maia pode criar 600 novos postos de trabalho

  • Lusa
  • 1 Fevereiro 2019

Adidas decidiu expandir as instalações atuais do concelho da Maia, onde mantém serviços de contabilidade e tecnologia, numa operação que pode significar a criação de 600 novos postos de trabalho.

A marca desportiva Adidas decidiu expandir as instalações atuais do concelho da Maia, onde mantém serviços de contabilidade e tecnologia, numa operação que pode significar a criação de 600 novos postos de trabalho, indicou esta sexta-feira a Câmara local.

De acordo com fonte da autarquia, a Adidas assinou na quinta-feira um contrato com um promotor privado que está a construir um edifício no TecMaia – Parque de Ciência e Tecnologia da Maia, com o intuito de acolher os atuais 300 trabalhadores que a marca tem neste concelho do distrito do Porto, bem como somar entre 500 a 600 novos profissionais.

A transferência definitiva para um espaço com 5.000 metros quadrados está prevista para o final do ano, mas, de forma a assegurar a expansão da empresa, a Câmara da Maia vai “de imediato” ceder instalações que detém no edifício central deste parque, local onde existe um auditório entre outras valências, apontou a mesma fonte.

O acolhimento temporário da empresa vai ser feito em 330 metros quadrados do edifício central, aos quais se somarão 770 metros quadrados numa segunda fase. “Somos um município inteligente, estimulante e inspirador, altamente focado no futuro. E as grandes empresas como a Adidas percebem esse ambiente e as vantagens comparativas de se instalar na Maia, mercê da estabilidade e equilíbrio em que vivemos”, referiu o presidente da Câmara da Maia, António Silva Tiago, numa mensagem escrita enviada à agência Lusa.

O autarca frisou que “uma parcela grande” do seu trabalho quotidiano está ligada à “criação de condições para trazer para a Maia novas empresas e novos investimentos produtivos”.

“A construção de uma comunidade coesa e sustentável não pode deixar de assentar, também, em empresas saudáveis, abertas à inovação e ao mundo, que percebem que a dignificação do trabalho é um fator de incremento da produtividade e da criatividade. A Adidas é exemplar nesse aspeto e, por isso, sinto que estamos a cumprir a nossa missão enquanto autarcas”, acrescentou António Silva Tiago.

Quanto ao novo edifício onde a Adidas se instalará no final do ano, este terá uma área superior a 30.000 metros quadrados, estando prevista a instalação de um hotel com 110 quartos, um aparthotel com 40 quartos, cedência de espaços a outras empresas, dois restaurantes, uma creche e espaços de escritórios. De acordo com a Câmara da Maia, será ainda criado um parque de estacionamento fechado com capacidade para 1.050 viaturas.

Ainda sobre o TecMaia, fonte camarária apontou que a Câmara da Maia tem em hasta pública para venda, até dia 27 de fevereiro, um terreno designado como lote 4, podendo ali ser construído um edifício com cerca de 7.000 metros quadrados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Expansão da Adidas na Maia pode criar 600 novos postos de trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião