Adidas avança com penhora contra empresa que a representa em Portugal. Onze lojas encerradas no país

Em causa está o incumprimento de contrato da empresa representante da Adidas em Portugal.

A Adidas procedeu ao encerramento de 11 lojas em Portugal, tal como à apreensão dos produtos da marca nas lojas do franchisado Adidas, um cliente que representava a marca no país. Em causa estará o incumprimento de contrato.

Em declarações ao ECO, fonte oficial da marca afirma que “a Adidas atuou por via de uma providência cautelar ditada esta quarta-feira pelo tribunal”.

De acordo com a informação avançada pela RTP, a razão estará relacionada com um acumulado de dívidas que ultrapassa os quatro milhões e meio de euros. Questionada sobre este valor, a fonte da marca não se quis pronunciar, acrescentando apenas que se trata de um “incumprimento de contrato”.

“As onze lojas das quais foram retirados os produtos da marca são da responsabilidade da empresa Valadri Unipessoal. A Adidas Portugal possui lojas próprias que não fazem parte desta rede hoje intervencionada”, pode ler-se no comunicado de imprensa. “As nossas lojas Adidas, da rede própria, continuam a trabalhar sem qualquer problema ou constrangimento“, salienta a fonte ao ECO.

Na lista dos encerramentos estão duas lojas na rua de Santa Catarina, no Porto, e a do Terreiro do Paço, em Lisboa. As 11 lojas alvo de penhora terão aberto, como é hábito, pelas 10h00 da manhã, mas pouco tempo de tempo os agentes de execução exigiram o encerramentos dos estabelecimentos, procedendo à remoção de todos os elementos identificativos da Adidas no exterior dos espaços e começando um inventário de todo o material, que se deverá prolongar durante vários dias.

“A Adidas está a trabalhar de forma intensa para encontrar uma solução rápida com o intuito de continuar perto dos seus consumidores”, lê-se no comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Adidas avança com penhora contra empresa que a representa em Portugal. Onze lojas encerradas no país

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião