Uma em cada três empresas planeia deixar o Reino Unido devido ao Brexit

  • Lusa
  • 1 Fevereiro 2019

A sondagem revela que 29% das empresas acreditam que o Brexit supõe um "risco significativo" para as suas operações no Reino Unido. Empresas como a Sony e a Panasonic mudaram para outros países.

Uma em cada três empresas britânicas planeia deixar o Reino Unido ou já o fez devido ao Brexit, de acordo com uma sondagem publicada esta sexta-feira pelo Instituto de Diretores (IoD). A organização, que agrupa diretores de cerca de 30.000 empresas britânicas, afirmou que 29% das empresas acredita que a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) supõe um “risco significativo” para as suas operações no país.

Como consequência disto, as empresas decidiram transferir parte das suas operações para outros países ou estão a planear fazê-lo. A sondagem indica que 11% das empresas já se reinstalou, 5% planeia reinstalar-se devido ao Brexit e 13% está a considerar a hipótese “ativamente”.

O processo de saída do bloco comunitário continua sem se concretizar no Parlamento britânico a menos de dois meses da data prevista para se materializar o “divórcio”.

A primeira-ministra, Theresa May, adiantou esta semana que regressará a Bruxelas para tentar renegociar o acordo de saída e concretamente a polémica salvaguarda irlandesa, se bem que a UE continua a afirmar que não reabrirá o documento.

O diretor-geral interino de IoD, Edwin Morgan, sublinhou que “a mudança é uma parte necessária e muitas vezes positiva para fazer negócios, mas a revolta e as crescentes barreiras comerciais que uma saída sem acordo poderia provocar são totalmente improdutivas”.

Grandes empresas, como a Sony ou a Panasonic, já reinstalaram os seus escritórios centrais noutros países europeus, mas o IoD revelou que companhias de menor dimensão pensam seguir os mesmos passos e na última semana aceleraram os planos neste sentido.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uma em cada três empresas planeia deixar o Reino Unido devido ao Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião