PCP quer nova ponte no Tejo e aeroporto em Lisboa. E TGV para Espanha

  • ECO
  • 5 Fevereiro 2019

Depois de o Governo ter aprovado e remetido à Assembleia da República o Plano Nacional de Investimentos (PNI) 2030, o PCP apresentou um projeto de resolução com as suas opções de investimento.

O Partido Comunista Português (PCP) tem propostas para o Plano Nacional de Investimentos (PNI) 2030. Depois de o Governo ter aprovado e remetido à Assembleia da República o plano, apresentou um projeto de resolução em que defende um novo aeroporto de Lisboa, uma nova travessia do Tejo e TGV para ligar Lisboa e Porto a Madrid.

De acordo com o Jornal de Negócios (acesso pago), os comunistas criticam o PNI 2030 pelo “caráter insuficiente e limitado dos níveis globais de investimento público previstos para tão largo período – cerca de 21 mil milhões de euros”. E dizem que tem “como consequência o adiamento de um elevado número de investimentos para lá de 2030”.

É neste sentido que o partido liderado por Jerónimo de Sousa apresenta as suas grandes opções. A introdução da alta velocidade ferroviária em Portugal nas ligações de Lisboa a Madrid e ao Porto é um dos projetos prioritários defendidos pelo PCP para a próxima década.

Além da alta velocidade, o PCP entende que o país deve ainda projetar e calendarizar o novo aeroporto de Lisboa na área do Campo de Tiro de Alcochete — quando acabou de ser lançada a construção do aeroporto no Montijo –, mas também uma terceira travessia do Tejo, rodoferroviária, entre Chelas e Barreiro.

Relativamente aos transportes públicos, o PCP defende a expansão da rede da Metro do Porto com a ligação a Matosinhos Sul, novas ligações a Gaia, Gondomar e à Trofa. No caso do Metro de Lisboa, a aposta vai no sentido do alargamento da Linha Vermelha até Alcântara e a ligação a Loures.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PCP quer nova ponte no Tejo e aeroporto em Lisboa. E TGV para Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião