Polo norte magnético quase baralhou geolocalização dos smartphones

  • Guilherme Monteiro
  • 5 Fevereiro 2019

O norte magnético da Terra está a deslocar-se mais rápido, o que obrigou os cientistas a atualizarem os modelos um ano mais cedo do que o previsto. Evitaram problemas em navios e até nos smartphones.

O polo norte magnético da Terra está a mover-se mais rápido do que o esperado. Mas, para evitar que o fenómeno se tornasse um problema para todos os sistemas de navegação, os cientistas do Centro Nacional de Informação Ambiental dos EUA (NCEI) tiveram de fazer uma atualização ao modelos que os suportam… um ano mais cedo do que o previsto.

O norte magnético tem um papel fundamental no funcionamento de tecnologias como o GPS, que está integrada nos nossos telemóveis. Mas é mais crítico, por exemplo, nos instrumentos de navegação marítima. Foi por isso que os especialistas viram-se obrigados a atualizar o Modelo Magnético do Mundo mais cedo, que é uma espécie de convenção importante para o funcionamento de quase todos os equipamentos que usem uma bússola — desde um mero smartphone até um navio ou mesmo um avião.

O documento mostra que o polo magnético está a mover-se a 54 km por ano do Canadá para a Rússia, mais precisamente para a Sibéria, uma evolução bastante mais rápida do que os 14 km anuais registados em 2000, de acordo com o Engadget (acesso livre/conteúdo em inglês).

Segundo o jornal, o fenómeno é atribuído a turbulências no núcleo da Terra, provocando variações que são imprevisíveis. As alterações introduzidas pelos cientistas deverão ser impercetíveis aos olhos dos milhares de milhões de utilizadores de smartphones — até porque, apesar de recorrer a estas informações, o GPS usa principalmente a posição de satélites em órbita.

No entanto, vai permitir evitar que o sistema forneça informação errada em situações mais sensíveis. É o caso das expedições científicas aos polos terrestres, onde este tipo de imprecisões seria muito mais percetível.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Polo norte magnético quase baralhou geolocalização dos smartphones

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião