Porco é símbolo de prosperidade na China. Será assim este ano para as bolsas asiáticas?

Ano novo lunar tem início esta terça-feira e é celebrado com um feriado nas bolsas asiáticas. É o ano do porco, símbolo de prosperidade. Mas o último ano do porco foi 2007, o preâmbulo da crise.

O ano novo lunar celebra-se esta terça-feira na China. É o ano do porco, um animal que é visto como não muito inteligente e até preguiçoso (gosta de comer e dormir, tornando-se gordo), mas também bem intencionado e com uma boa personalidade. É, por isso, abençoado com riqueza e prosperidade. Depois de o ano passado ter sido difícil para as bolsas asiáticas, riqueza é tudo o que investidores e analistas anseiam. No entanto, os desafios são grandes e as últimas experiências de anos do porco não são as mais auspiciosas.

“No Ano do Porco, a China deverá continuar a debater-se com menor crescimento económico, uma montanha de dívida e uma guerra comercial com os EUA. Mas, de acordo com a lenda chinesa, o porco é símbolo de prosperidade, o que é consistente com a nossa visão de longo prazo para o potencial económica da China”, afirmou Neil Dwane, estratego global da Allianz Global Investors, numa nota de research.

O ano novo lunar é das celebrações mais importantes da China e as principais bolsas no país estarão fechadas toda a semana. Antes de iniciar a pausa, a Bolsa de Xangai acumulava um ganho de 5% desde o início de janeiro. Este índice foi criado em 1991, o que significa que este será o terceiro ano do porco que vive, depois de 1995 e 2007.

No último ano do porco, a bolsa de Xangai quase duplicou de valor

Fonte: Reuters

Há várias lendas sobre o porco chinês. Uma das histórias que se conta é que o imperador chinês convidou os animais do zodíaco para uma festa em sua casa. O porco, que tinha comido demasiado, adormeceu e chegou atrasado. Tendo sido o último dos convidados a chegar, tornou-se o 12º animal do zodíaco no ciclo lunar.

Também a China engordou com dívidas, sendo que o elevado endividamento é um dos fatores apontados como razão para a desaceleração do crescimento económico. Apesar de caminhar para a posição de maior economia do mundo, a China acresceu “apenas” 6,6% em 2018, ou seja, ao ritmo mais lento dos últimos 28 anos. A guerra comercial — um dos principais problemas do país, em 2018 — também é uma preocupação, especialmente se levar a uma guerra fria tecnológica entre EUA e China.

“Elevados níveis de endividamento, crescimento mais lento e guerras comerciais são problemas de longo prazo que não podem ser resolvidos da noite para o dia, mas acreditamos que o governo da China tem as ferramentas certas para resolvê-los”, acredita o estratego global da Allianz GI.

O presidente Xi Jinping definiu uma estratégia para criar mais procura interna na China e aumentar a cadeia de valor na indústria. Estes são os pilares do programa “Made in China 2025″. Ao transferir as capacidades industriais para áreas tecnológicas, como aeroespacial e robótica, a China espera evitar a “armadilha dos rendimentos médios” que apanhou várias economias emergentes. A China é um agente relativamente novo nos mercados financeiros já que o país era, tradicionalmente, muito fechado ao capital estrangeiro, mas até nesse campo o Governo tem feito esforços para mudar.

“Sabemos que a China tem os seus desafios, mas acreditamos que a sua liderança está bem posicionada para lidar com eles, o que ajuda a tornar a China uma classe de ativos que deverá ser considerada para uma participação ativa”, acrescentou Neil Dwane. A gestora de ativos recomenda especialmente títulos de empresas da “nova economia” como consumo, tecnologia, ambiente ou saúde. Em contrapartida, desaconselha empresas muito dependentes das importações dos EUA.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Porco é símbolo de prosperidade na China. Será assim este ano para as bolsas asiáticas?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião