Há um mês na SIC, Cristina Ferreira lidera as manhãs. RTP foi a mais castigada

A 7 de janeiro estreava o "Programa da Cristina", a aposta da SIC para destronar a TVI. E conseguiu. Mas não foi a TVI que perdeu audiências. Na verdade, foi a RTP.

Cristina Ferreira pôs a SIC na liderança das manhãs em dias úteis. A TVI continuou a liderar a TV em sinal aberto no allday, mostram os dados da GfK/CAEM, a que o ECO teve acesso.Paula Nunes / ECO

O grupo Impresa está a colher os frutos da nova estratégia na programação. Um mês depois da estreia, já é claro que o Programa da Cristina é líder de audiências das manhãs, algo que não acontecia desde fevereiro de 2008. Mas os dados mostram que Cristina Ferreira não “roubou” público ao antigo parceiro, Manuel Luís Goucha: o share da TVI nas manhãs também subiu em cadeia, depois de, na reta final de dezembro, a estação ter apostado no formato Monte do Manel e, já em janeiro, ter estreado no Você na TV! um novo cenário e uma nova apresentadora, Maria Cerqueira Gomes.

Dados recolhidos pela GfK/CAEM, consultados pelo ECO, mostram que, no horário daytime (das 10h12 às 12h59), entre 7 de janeiro e 5 de fevereiro, a SIC liderou com um share médio de 33,5%, contra 19,1% da TVI. Além disso, o canal da Impresa alcançou um share de 19,2% na média total dos dias úteis no mês de janeiro. Já o share da TVI foi de 18,8%, inferior ao da SIC em 0,4 pontos percentuais. Ou seja, a SIC tornou-se líder nas manhãs, tendo passado de um share de 17,6% em dezembro para 19,2% no primeiro mês de 2019, altura em que a Impresa implementou a nova grelha.

No entanto, os dados também mostram que Cristina Ferreira não arrebatou audiência ao canal concorrente. Isto porque, em janeiro, o share da TVI em dias úteis também aumentou face a dezembro, ainda que de forma marginal, em 0,1 pontos percentuais (com a ressalva de que, na segunda metade de dezembro, a TVI emitiu o Monte do Manel e, no início de janeiro, estreou o novo cenário e a nova apresentadora do Você na TV!). Uma análise mais aprofundada às tabelas de audiências permite concluir que o prejuízo maior em matéria de audiências foi registado pelo grupo RTP, que fechou o primeiro mês do ano a perder quota em sinal aberto.

Ora veja-se. Em dias úteis, durante o mês de dezembro, o share da RTP 1 era de 13,7%, mas caiu para 12,8% no final de janeiro. Já o acumulado dos outros canais em sinal aberto — RTP 2, RTP 3 e RTP Memória — recuou de 11,3% em dezembro para 9,8% em janeiro. Foi este o “efeito Cristina” na TV em sinal aberto no país. Até porque, alargando o espetro à oferta de canais por subscrição, até estes cresceram em share, na ordem dos 0,8 pontos percentuais.

O Programa da Cristina estreou-se a 7 de janeiro na programação da SIC, com uma audiência histórica de 40,1% de share no primeiro dia, que cresceu para 40,9% no dia seguinte devido ao fator “novidade”. Já nessa altura, a tendência de estabilização das audiências com o tempo era evidenciada pelos dados da GfK/CAEM, com uma ligeira recuperação da TVI nessa primeira semana, em que estreou a nova aposta da SIC. Dados adicionais obtidos pelo ECO mostram que, nas restantes semanas após a estreia e até ao fim do mês, o share médio do programa foi de 33,3%.

Em traços gerais, é este o raio-X de um programa que deu novo fôlego à Impresa e que teve entre os convidados nomes como o do presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, ou da líder do CDS-PP, Assunção Cristas (e que protagonizou, logo na estreia, o momento insólito do telefonema do Presidente da República). Todos estes momentos alcançaram com eficácia o perfil demográfico característico deste tipo de programas. O telespetador médio é mulher, adulta, com idade entre os 65 e 74 anos, de classe média-baixa e oriunda do norte do país, como noticiou o ECO em meados do mês passado.

Desde a estreia de Cristina Ferreira, a Impresa também fez outras mexidas na grelha: Conceição Lino regressou ao pequeno ecrã com o conteúdo informativo A Rede, que o grupo controlado pela família Balsemão garante ter sido o “conteúdo informativo mais visto em janeiro”, e foi efetivada a mudança de instalações da redação, que passou de Carnaxide para o novo edifício em Paço de Arcos. Além disso, a SIC Notícias também foi alvo de uma modernização da identidade visual.

Todas estas novidades estão a fazer subir o valor do grupo em bolsa. Entre todas as ações da bolsa de Lisboa, as da Impresa são as que registam o melhor desempenho, com uma valorização acumulada superior a 50% desde o começo de 2019. Os títulos estão a cotar em 21 cêntimos, dando à dona da SIC uma capitalização bolsista na ordem dos 35,45 milhões de euros. Para comparação, a concorrente Media Capital, que tem a maior quota de mercado, tem um valor de mercado de cerca de 224,81 milhões de euros.

(Artigo atualizado para clarificar que, durante parte do mês de dezembro, a TVI emitiu o programa Monte do Manel e não o Você na TV!)

Evolução das ações da Impresa na bolsa de Lisboa

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Há um mês na SIC, Cristina Ferreira lidera as manhãs. RTP foi a mais castigada

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião