Há uma guerra de audiências. Mas quem vê e quanto valem as manhãs na TV portuguesa?

No meio da guerra das audiências entre SIC e TVI, fomos olhar para as manhãs na televisão portuguesa. Conheça o tipo de público que assiste a estes programas, e as marcas que se interessam por eles.

Quem vê caras não vê televisões. Ou melhor, não vê os nomes dos canais televisivos. Os dados mostram que a transferência de Cristina Ferreira da TVI para a SIC pôs a estação de Carnaxide na liderança das manhãs, estatuto que, antes, recaía sobre o canal de Queluz de Baixo. Ou seja, com Cristina foi grande parte do público, embora ainda seja prematuro afirmar que a apresentadora venceu a guerra das audiências a Manuel Luís Goucha. Mas no meio disto tudo, há uma pergunta que se impõe: quem vê e quanto valem as manhãs na televisão portuguesa?

Excluindo os portugueses que recuam e avançam na emissão, as manhãs na TV generalista são caracterizadas por um público doméstico. “A diferença entre os programas da manhã e o prime time cifra-se essencialmente no tópico dos profissionais ativos, ou seja, das pessoas que trabalham”, começa por explicar ao ECO Pedro Mendes, diretor do IPAM Lisboa. É um público mais doméstico e aposentado. Quanto à diferença entre as manhãs e as tardes, há apenas um ponto de distinção: as manhãs ainda têm algum público composto por profissionais ativos, que chegam a casa por volta das 12h40, explica o docente.

Dados da GfK/CAEM, a que o ECO teve acesso, mostram que, entre segunda e quinta-feira da última semana, o telespetador típico de um programa da manhã é mulher, adulta, com idade entre os 65 e 74 anos, de classe média-baixa e oriunda do norte do país. “São pessoas domésticas, que habitualmente trabalham em casa e que acompanham os programas da manhã no momento em que estão a fazer as lides de casa, ou a prepararem o almoço”, detalha Pedro Mendes. Mas os dados também mostram que estes programas alcançam outros públicos bem diferentes: chegam a 12,9% de telespetadores de classe alta que veem televisão, ou 14,8% de classe média.

Outra característica é que o período da manhã é muito mais afunilado em termos de público do que o horário nobre à noite. “O prime time é muito mais abrangente do ponto de vista de audiência”, explica ao ECO a secretária-geral da Associação Portuguesa de Anunciantes (APAN), Manuela Botelho. “Tem uma audiência mais qualificada, com targets bastante comerciais e composta por classes mais elevadas, com targets etários entre os 25 e os 50 anos, de homens e mulheres de uma forma mais equilibrada”, indica. O horário nobre é por isso um grupo alvo “mais alargado” e que “tem outros interesses”, chamando a atenção de marcas dos setores automóvel e da banca, refere a especialista.

No que toca às manhãs, Manuela Botelho parece concordar: o público-alvo dos programas da manhã são “donas de casa, pessoas que trabalham em horários diferenciados e pessoas mais velhas”, ainda que muitas delas tenham grande poder de compra. “São basicamente pessoas que têm responsabilidades nas compras familiares da casa, de alguma maneira, e que não estão empregadas”, reconhece. Excetuando o consumo de televisão não linear, “quem estiver empregado dificilmente consegue estar a ver um programa da manhã”, nota.

Assim, de segunda a sexta-feira, a partir das 10h10, quem ligar a TV lá de casa vai ver, entre os canais generalistas, programas como A Praça da Alegria (na RTP 1, com Jorge Gabriel e Sónia Araújo), O Programa da Cristina (na SIC, com Cristina Ferreira) ou Você na TV! (na TVI, com Manuel Luís Goucha e Maria Cerqueira Gomes). E mesmo sendo um facto que é à noite que mais gente vê televisão — daí este horário ser chamado de prime time, ou horário nobre –, nem por isso os programas da manhã deixam de ter relevância: o início do dia é o segundo período mais importante para os canais e para os anunciantes.

Alguns profissionais ativos chegam a casa no momento em que estes programas da manhã estão a decorrer. O público da tarde é mais um público de inativos, de pessoas que não trabalham e de pessoas aposentadas.

Pedro Mendes

Diretor do IPAM Lisboa

Cristina venceu uma batalha. Ainda lhe falta a guerra

A guerra das audiências veio ganhar mais força com a decisão da SIC de colocar a apresentadora Cristina Ferreira em rota de colisão televisiva com o seu anterior parceiro do pequeno ecrã, Manuel Luís Goucha. Dados da GfK/CAEM, cedidos ao ECO pela Impresa, mostram que o novo programa da manhã da SIC, estreado a 7 de janeiro, conquistou uma audiência média de 534,1 mil pessoas entre segunda e quinta-feira. Assim, entre os portugueses que viram televisão nesta altura do dia, 38% estiveram ligados à SIC, contra 21,3% que viram o programa da TVI (uma métrica conhecida em televisão como share).

Mas Cristina Ferreira está longe de poder cantar vitória. Apesar de ter presenteado a SIC com um share histórico de 40,1% no dia da estreia, e que chegou a subir para 40,9% no segundo dia de programa, a TVI ganhou algum terreno. Na quinta-feira, o último dia em que os dados estiveram disponíveis, o share de Cristina corrigiu para 35,4%, com o programa de Goucha a recuperar para 21,1%. Os dados dizem respeito a telespetadores que viram o programa não só em direto como também em diferido.

Por isso, avisa Pedro Mendes, professor e especialista, só daqui a um mês será possível saber quem venceu o braço de ferro das audiências: “Vamos ter de esperar algum tempo para perceber se isto vai ser uma tendência, para ver se a Cristina por si só vai conseguir ser líder de audiências, ou se ainda é apenas uma questão de curiosidade, de a Cristina foi para a SIC, deixa ver se é melhor ou se é pior…, afirma o diretor do IPAM Lisboa. “Daqui a um mês já vamos ter dados muito confirmatórios. Ou as pessoas permanecem no programa da Cristina, ou as pessoas viram, não gostaram e regressam ao da TVI”, acrescenta.

Cristina Ferreira na estreia d’O Programa da Cristina, na SIC.Daily Cristina

Se os programas da manhã lhe parecem todos iguais, há uma razão lógica para isso. Pedro Mendes explica que o panorama televisivo português é “um bocadinho suis generis“. “Se quisermos falar do Brasil, a rede Globo deve dominar com quase 80% de share. Em Portugal, como o share de audiências é tão dividido, os programas acabam por ser muito idênticos. Mesmo as grelhas são quase as mesmas em todos os canais, e os pontos de diferenciação são cada vez mais difíceis [de encontrar]”, justifica.

Isso também justifica, em certa medida, a estratégia da SIC quando foi buscar Cristina Ferreira à concorrente TVI: “A própria SIC tentou inventar e reinventar [os programas da manhã] várias vezes, até que chegou ao ponto em que teve de mudar mesmo de cara. Para conseguir concorrer com a TVI, teve de ir buscar alguém da TVI”.

Em Portugal, como o share de audiências é tão dividido, os programas acabam por ser muito idênticos.

Pedro Mendes

Diretor do IPAM Lisboa

Manhãs que piscam o olho ao grande consumo

Se as manhãs ditam o público-alvo e o público-alvo dita o formato de um programa, tudo junto gera um pacote televisivo que interessa, no fim, às marcas anunciantes. E que marcas apostam num segmento que, como vimos mais acima no artigo, é composto maioritariamente por portuguesas com idade entre 65 e 74 anos? Desde logo, as marcas do grande consumo, mas também os produtos antienvelhecimento. Como o conhecido Calcitrim.

Como explica Pedro Mendes, entre as marcas presentes nos segmentos da manhã estão “o Continente”, por exemplo, e “outras marcas que estão ligadas à venda de produtos de grande consumo”. Além disso, “temos aqui [representadas] marcas mais associadas à componente, por um lado, dos seniores e das pessoas em fase de envelhecimento. Temos o exemplo do Calcitrim e de outros produtos ligados à saúde interior como também exterior, bem como produtos mais ligados à estética”, indica o docente. No fundo, a publicidade nas manhãs diz respeito a “bens de grande consumo” que a sociedade “compra diariamente, mais em quantidade do que comprar pouco por um preço elevado”. Ou seja, como resume Manuela Botelho, da APAN, “são basicamente marcas que se dirigem à população que, normalmente, está em casa durante a manhã”.

Uma das marcas representadas na estreia d’O Programa da Cristina foi a TAP. A companhia aérea portuguesa ofereceu uma viagem a cada figurante do programa. Mas qual o racional por detrás da estratégia? “Nesse caso, tem mais a ver com o segmento sénior. É um segmento que está mais disponível para viajar. Muitas vezes, as pessoas que veem estes programas têm algum dinheiro, estão já numa fase da vida em que têm de encontrar, no fundo, coisas para fazer”, opina Pedro Mendes. O ECO contactou a TAP e questionou a empresa sobre o objetivo desta campanha, mas não obteve resposta.

Manuel Luís Goucha ainda pode recuperar a audiência que Cristina Ferreira levou da TVI para a SIC.José Coelho/Lusa

Fica a faltar falar do efeito de arrastamento que os programas da manhã provocam no respetivo público-alvo. Uma fonte do mercado garantiu ao ECO que a forte audiência destes formatos contagiam os programas seguintes, nomeadamente o Jornal da Tarde da RTP, o Primeiro Jornal da SIC e o Jornal da Uma, da TVI. É um facto a que não fica alheio Pedro Mendes: “Há aqui um contexto de fidelidade em Portugal. Já o profissional ativo, em casa, tem mais a dinâmica de pegar no comando e procurar o programa que já deu durante o dia. Mas a pessoa que está na SIC, acaba por ver o jornal da SIC.”

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Há uma guerra de audiências. Mas quem vê e quanto valem as manhãs na TV portuguesa?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião