Parlamento chumba eliminação de portagens na A23, A24, A25 e Via do Infante

  • Lusa
  • 8 Fevereiro 2019

Eliminação de portagens na A22, A23, A24 e A25 foi chumbada pelo voto contra do PS e a ajuda do PSD e CDS, que se abstiveram. Houve, no entanto, deputados socialistas a votar a favor.

O Parlamento chumbou, esta sexta-feira, os projetos de resolução do PCP, BE e PEV que recomendavam a eliminação das portagens nas autoestradas A23, A24 e A25 e também na A22, mais conhecida por Via do Infante, no Algarve.

Os deputados votaram em simultâneo os três projetos de resolução pela abolição das portagens na Via do Infante, do PCP, BE e PEV, tendo as propostas sido chumbadas com os votos contra do PS e do deputado não inscrito Paulo Trigo Pereira, a abstenção do PSD e do CDS-PP e os votos favoráveis dos proponentes, do PAN e de nove deputados socialistas, entre os quais a porta-voz do partido, Maria Antónia Almeida Santos.

Os também socialistas Luís Graça, Jamila Madeira, Fernando Anastácio e Ana Passos, todos eleitos pelo Algarve, anunciaram uma declaração de voto sobre a matéria.

Em relação à eliminação de portagens na A23, os projetos foram igualmente votados em conjunto, tendo sido rejeitados, com votos contra do PS e do deputado não inscrito Paulo Trigo Pereira, abstenção do PSD, CDS-PP e três deputados socialistas, e a favor do BE, PEV, PCP e 14 deputados do PS.

Edite Estrela, ex-dirigente socialista e a ex-secretária de Estado Margarida Marques, votaram a favor da eliminação das portagens na A23, autoestrada da Beira Interior, uma das vias de acessibilidade estruturantes e estratégica para toda a mobilidade nos distritos de Santarém, Portalegre, Castelo Branco e Guarda.

Também as propostas para abolição na A24 e na A25 foram rejeitadas, ao merecerem votos contra do PS e de Paulo Trigo Pereira, abstenção de PSD e CDS-PP e votos a favor de nove deputados do PS e restantes partidos.

O projeto de resolução do PCP que recomendava a eliminação das portagens na A28, A41/A42 e A29 foi chumbado com votos contra do PS e de Paulo Trigo Pereira, a abstenção do PSD e CDS-PP, a favor do proponente e dos restantes partidos. As deputadas socialistas Carla Sousa e Conceição Loureiro votaram a favor.

O projeto do PSD que recomendava ao Governo que desse cumprimento à resolução da Assembleia da República para estudo de uma alternativa ao “Pórtico do Estádio”, defendendo melhores os interesses de Aveiro e acabando com uma grave injustiça para com os aveirenses foi aprovado, baixando à sexta comissão.

Foi igualmente aprovada, e baixou também à sexta comissão, o projeto de resolução do PSD que recomendava ao Governo a redução de portagens na denominada Autoestrada do Pinhal do Interior (troço da A13 entre o Entroncamento e Coimbra e A13.1 que liga a Condeixa).

Durante a discussão no plenário, antes da votação, Eduardo Machado, do PCP, lembrou que o partido queria travar “a injustiça de vários anos” que se assiste de norte a sul do país, “de Viana ao Algarve”, com as populações “a pagar para encher os bolsos das concessionárias” sem alternativas viáveis.

Já o deputado centrista eleito pelo círculo de Aveiro António Carlos Monteiro apelou aos deputados que reconhecessem hoje que se continuaria “a insistir na injustiça em Aveiro, com o “Pórtico do Estádio”, que se encontra “claramente na zona urbana da cidade”.

“Quem quer ir do centro da cidade ao estádio municipal tem de pagar portagens. O que seria aqui na capital se a população para ir ao futebol tivesse de pagar”, questionou.

O deputado do Bloco de Esquerda João Vasconcelos lembrou que os ‘bloquistas’ estavam “a favor de todos os projetos de resolução apresentados para abolir as portagens”.

“Com esta já são nove vezes que o Bloco de Esquerda apresenta a proposta para abolir as portagens no Algarve e sempre foi travado pelos restantes partidos. É altura de votar a favor destes projetos de resolução se quiserem estar a favor do Algarve e das suas populações”, disse João Vasconcelos, lembrando que a alternativa à Via do Infante, a EN125, é considerada “a estrada da morte”, já que é aquela que apresenta “mais pontos negros” de sinistralidade.

O deputado lembrou ainda que o primeiro-ministro prometeu acabar com as portagens no Algarve antes de ter sido eleito, frisando hoje que “palavra dada deve ser palavra honrada”.

O deputado não inscrito Paulo Trigo Pereira defendeu que a “abolição de portagens seria o renegociar de contratos com os concessionários” e levaria a que a alternativa passasse “por um imposto ou por utilizador pagador”.

Hélder Amaral, do CDS-PP, considerou que a origem das questões hoje discutidas em plenário está nas políticas do PS, lembrando que “o partido socialista das vacas gordas pejou o país de autoestradas”.

Ricardo Bexiga, pelo PS, frisou que são reconhecidos “os impactos negativos para alguns”, mas questionou como é que estas infraestruturas seriam sustentadas se as portagens fossem abolidas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento chumba eliminação de portagens na A23, A24, A25 e Via do Infante

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião