Partidos unidos no inquérito à CGD, mas há nuances

No Parlamento discutiu-se esta quinta-feira o projeto de resolução que cria a comissão de inquérito à Caixa. PSD e CDS pedem ao BE que não fulanize inquérito no governador do Banco de Portugal.

O Parlamento discutiu esta quinta-feira o projeto de resolução que une PSD, CDS, PS e Bloco de Esquerda em torno da criação de uma nova Comissão de Inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD). Mas apesar disso, o debate mostrou algumas diferenças entre os partidos, nomeadamente, quanto às responsabilidade do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, pelos atos praticados quando passou pelo banco público.

“Não vamos permitir ajustes de contas” dirigidos a uma só pessoa, disse João Almeida, deputado do CDS, o partido que tomou a dianteira na criação da comissão parlamentar de inquérito à Caixa depois de conhecido o relatório de auditoria da EY aos atos de gestão praticados entre 2000 e 2015. “A responsabilidade é de todos e todos têm de ser escrutinados”, avisou.

Também Duarte Pacheco do PSD pediu que não se façam juízes antecipados. “Tudo deve ser apurado. Não há intocáveis nem pode haver conclusões pré-feitas e ódios de estimação“, disse o parlamentar laranja, acrescentando que o partido não vai aceitar “bloqueios”, nem que se escolham “responsáveis parciais”.

O recado era para o Bloco de Esquerda que pediu ao Governo que desencadeasse o pedido de exoneração do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, que fez parte da administração do banco público entre abril de 2004 e setembro de 2006, anos em que foram aprovadas operações lesivas para a Caixa.

A resposta veio depois. Mariana Mortágua, do Bloco de Esquerda, explicou os motivos que estão por detrás do pedido dos bloquistas. “O próprio governador do Banco de Portugal deixou de ter condições para ser governador” quando pediu escusa de participar nas avaliações. O Jornal Económico noticiou que Carlos Costa não seria avaliado no âmbito do processo de avaliação de idoneidade que o supervisor está a fazer aos administradores que passaram na Caixa e que estão em funções sujeitas a este processo de avaliação.

O Bloco de Esquerda “não faz qualquer análise antecipada da idoneidade de Carlos Costa”, disse Mortágua, acrescentando que “de todos os administradores e ex-administradores há um que não é avaliado. Nesse dia foi criado um conflito de interesses“.

O PS não entrou nesta discussão, preferindo destacar que esta auditoria foi pedida pelo atual Governo e lembrando momentos em que o Executivo anterior, de Passos Coelho, o podia ter feito.

O PCP garantiu que não deixará que o inquérito à Caixa “abra caminho para entrada de privados” na CGD. “Não daremos para esse peditório”, afirmou o comunista Duarte Alves, salientando que “nunca um banco privado teve um processo com três comissões de inquérito como está a ser gerado para a Caixa e com o banco público em atividade”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Partidos unidos no inquérito à CGD, mas há nuances

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião