Revista de imprensa internacional

  • ECO
  • 14 Fevereiro 2019

O fim do A380, a lista de interessados no Dia e o acordo da UE para remodelar regras dos direitos de autor estão a marcar o dia. Conheça os destaque na imprensa internacional.

A Airbus está em destaque na imprensa internacional. A decisão de abandonar a produção do A380 está espalhada um pouco por todos os jornais do mundo. Em foco está também o possível alargamento do prazo dos EUA para aplicarem sanções à China, enquanto aqui ao lado as atenções viram-se para as eleições, mas também para o Dia. A retalhista pode ser alvo de ofertas por parte de concorrentes europeus, entre eles a Sonae.

The Wall Street Journal

Airbus A380 vai ser descontinuado. Há 3.500 empregos em risco

Após 12 anos ao serviço, a Airbus decidiu parar de produzir o A380, avança grande parte da imprensa internacional, nesta quinta-feira. Em causa está o modelo de dois andares cujas vendas resistiram em descolar. O fabricante europeu de aviões diz que a paragem de produção deste avião está programada para 2021. Esta decisão coloca em causa cerca de 3.500 postos de trabalho, avança o Wall Street Journal (acesso pago/conteúdo em inglês).

Expansión

Três retalhistas europeias avaliam lançar oferta sobre o Dia

Depois de ter anunciado a entrado em falência técnica, o Dia já conseguiu despertar o interesse de três retalhistas europeias que ponderam lançar uma oferta de aquisição sobre o grupo espanhol. A notícia é avançada pelo Expansión (acesso livre/ conteúdo em espanhol), nesta quinta-feira, que cita fontes financeiras conhecedoras do processo que falam ainda do interesse demonstrado por um fundo de investimento. O Carrefour, o Lidl e a Sonae são os potenciais interessados no Dia.

The Wall Street Journal

União Europeia chega a acordo para remodelar regras dos direitos de autor

As instituições europeias chegaram a um acordo para a criação de novas regras para os direitos de autor, depois de dois anos de forte oposição por parte das grandes tecnológicas norte-americanas. O acordo está longe de ser consensual, pois vai responsabilizar plataformas como o YouTube pelo conteúdo gerado pelos utilizadores que infrinja direitos de autor. Responsáveis da Comissão Europeia, eurodeputados e diplomatas de várias nacionalidades europeias estiveram a negociar o acordo à porta fechada, num encontro que durou três dias e decorreu em Estrasburgo. Mas o novo enquadramento legal ainda tem de ser aprovado pelo Parlamento Europeu. Leia a notícia completa no The Wall Street Journal (acesso pago/conteúdo em inglês).

Bloomberg

Trump admite alargar em 60 dias prazo para começar a aplicar tarifas à China

A data marcada para a imposição de tarifas às importações chinesas é 1 de março, mas o presidente norte-americano está disposto a estender este prazo para alcançar um acordo, avança a Bloomberg (acesso livre/conteúdo em inglês). Donald Trump diz que as negociações com a China estão a correr bem, e pondera adicionar 60 dias ao limite se um acordo estiver à vista. O líder norte-americano quer encontrar-se com Xi Jinping para fecharem oficialmente as negociações, mas ainda não foi marcada a reunião.

El Confidencial

“Superdomingo” eleitoral em Espanha pode custar 200 milhões de euros

O primeiro-ministro, Pedro Sánchez, deverá anunciar esta sexta-feira a convocação de eleições antecipadas. Uma das hipóteses em cima da mesa é a realização do chamado “superdomingo” eleitoral, fazendo coincidir num único dia, 26 de maio, as eleições gerais, autonómicas, municipais e europeias no país. No entanto, esta solução iria custar 200 milhões de euros aos cofres públicos espanhóis, garante fonte do PP. A outra hipótese e realizar as eleições gerais num dia distinto, com um custo a rondar os 130 milhões de euros. Espanha tem uma provisão de 302,9 milhões de euros para financiar processos eleitorais. Leia a notícia completa no El Confidencial (acesso livre/conteúdo em espanhol).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião