Portugal está entre os piores países da Europa na pobreza energética

  • Lusa
  • 20 Fevereiro 2019

Só três países da Europa de Leste são piores que Portugal em pobreza energética, segundo um estudo europeu que avaliou a capacidade de famílias manterem as suas casas com temperaturas confortáveis.

Só três países da Europa de Leste são piores que Portugal em pobreza energética, segundo um estudo europeu que avaliou a capacidade de famílias manterem as suas casas com temperaturas confortáveis e pagar as faturas da energia.

Usando dados do Eurostat, a rede de organizações ambientalistas Coligação para o Direito à Energia, a que pertence a portuguesa ZERO, concluiu que há 41 milhões de lares nos 28 países que compõem a União Europeia que não conseguem ser aquecidos no inverno e 91 milhões que não conseguem ser refrescados no verão.

Em comunicado, a ZERO aponta o dedo à “inação dos decisores políticos“, reclamando “um programa europeu para melhoria do isolamento térmico e eficiência energética dos edifícios” que faça baixar as faturas da energia.

Portugal, classificado com nível “muito alto” apresenta-se como “um dos piores países europeus no que respeita à pobreza energética” por causa de “baixos rendimentos, edifícios ineficientes sem isolamento e com janelas simples”, equipamentos pouco eficientes, como “lareiras e aquecedores individuais”, assinala a ZERO.

Os “custos elevados” levam a que se gaste pouca energia para aquecer e arrefecer as casas, refere a associação, que pede ao Governo que aposte em “apoios simplificados para salvaguardar as pessoas em condições socioeconómicas mais vulneráveis”.

Abaixo de Portugal na lista do Direito à Energia estão a Eslovénia, a Hungria e a Bulgária. Do outro lado do espetro, Suécia, Finlândia, Dinamarca e Áustria são os países com menos pobreza energética.

Na apreciação global, há 17 países com “níveis significativos de pobreza energética” e na Europa a fatura da energia aumentou 33% entre 2000 e 2014, refere a ZERO citando números da Comissão Europeia, com os agregados familiares a pagarem um ordenado inteiro só para energia em alguns países da União Europeia.

Em casas onde não se consegue impor uma temperatura confortável, vive-se com “níveis mais altos de stress e ansiedade” e complicações de saúde mais pequenas são ampliadas.

“Crianças pequenas que vivem em casas frias e húmidas têm mais do dobro da probabilidade de sofrer de problemas respiratórios e mais 40% de hipótese de sofrer de asma”, refere a Coligação no estudo.

A falta de conforto térmico “está relacionada com 40% das mortes em excesso que acontecem durante o inverno”, mais recorrentes em países com menos condições de habitação.

O problema verifica-se também em relação ao verão porque “à medida que se espera que temperaturas mais altas sejam mais frequentes, a escala da população da União Europeia afetada pela pobreza energética no verão deverá aumentar dramaticamente”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal está entre os piores países da Europa na pobreza energética

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião