Tempos máximos em cirurgias ultrapassados em doentes prioritários mesmo sem greve

  • Lusa
  • 21 Fevereiro 2019

No ano passado, os tempos de resposta para doentes muito prioritários e a prioritários oncológicos foram ultrapassados em vários hospitais do Serviço Nacional de Saúde.

Vários hospitais do Serviço Nacional de Saúde ultrapassaram no ano passado os tempos máximos de resposta a doentes muito prioritários e a prioritários oncológicos, mesmo antes da greve dos enfermeiros, segundo dados oficiais do terceiro trimestre de 2018.

Uma análise ao tempo médio de resposta dos utentes operados, que está disponível no Portal da Saúde, permite ver que entre julho e setembro do ano passado vários hospitais passaram os tempos máximos em que os doentes devem ser operados.

No caso dos doentes muitos prioritários (oncológicos e não oncológicos), que devem ser operados num período de 15 dias, cerca de duas dezenas de hospitais ultrapassam esse tempo nalgumas especialidades.

Um dos casos com maior tempo médio de espera para doentes muito prioritários é o da cirurgia cardiotorácica no Hospital de Santa Marta (Lisboa), que apresentava uma espera média de 135 dias para doentes que deviam esperar no máximo 15 dias. Na cardiologia geral, o Hospital de Abrantes teve uma média de tempo de espera de 24 dias para doentes muito prioritários.

O Instituto Português de Oncologia de Lisboa e do Porto ultrapassavam também os tempos máximos de resposta nos doentes muito prioritários para cirurgias da cabeça e do pescoço, sendo a média de 26 dias no IPO de Lisboa e de 54 no do Porto.

Quanto à especialidade de cardiologia geral, os tempos médios de espera em pelo menos três hospitais foram além do tempo máximo para doentes muito prioritários. Na ginecologia, os hospitais Beatriz Ângelo (Loures), o hospital de Santo Tirso e o do Litoral Alentejano ultrapassaram também os tempos para os doentes que deviam ter a cirurgia feita em duas semanas.

No hospital de Santo Tirso, no hospital de São João (Porto) e no de Portimão, os tempos médios ultrapassaram o tempo máximo de resposta também nos doentes prioritários oncológicos na especialidade de oncologia, que deviam ser operados no máximo em 45 dias. Respetivamente, esses hospitais tiveram tempos médios de 53 dias, 47 dias e 55 dias nos casos oncológicos na ginecologia, tidos como prioritários.

Outro dos exemplos de tempos de espera além do recomendado é o da urologia no Hospital Senhora da Oliveira (Guimarães), onde os doentes oncológicos prioritários aguardavam em média 54 dias, enquanto os doentes muito prioritários tinham esperas de 62 dias.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tempos máximos em cirurgias ultrapassados em doentes prioritários mesmo sem greve

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião