Governo força regulador dos seguros a avaliar idoneidade de Tomás Correia

José Almaça diz não ter competências para avaliar o presidente da Associação Mutualista que foi condenado pelo Banco de Portugal a uma coima de 1,25 milhões. Mas Governo entende o contrário.

O Governo diz que cabe ao regulador dos seguros abrir um procedimento de avaliação de idoneidade a Tomás Correia, atual presidente da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) que foi condenado pelo Banco de Portugal ao pagamento de uma coima de 1,25 milhões de euros por irregularidades cometidas quando estava no banco do Montepio. O esclarecimento surge depois de José Almaça ter dito que a ASF (Autoridade de Supervisão dos Seguros e Fundos de Pensões) não tinha competências para fazer essa avaliação, uma vez que decorre um período de transição do novo regime de supervisão de 12 anos.

É entendimento do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e do Ministério das Finanças que o regulador dos seguros já dispõe desses poderes de avaliar se determinado gestor preenche os requisitos para exercer funções numa associação mutualista. E aponta para uma das alíneas do número 5 do artigo 6 do novo Código das Associações Mutualistas (CAM), que entrou em vigor em setembro:

  • f) Analisar o sistema de governação e os riscos a que as associações mutualistas estão ou podem vir a estar expostas e a sua capacidade para avaliar esses riscos, por referência às disposições legais, regulamentares e administrativas em vigor para o setor segurador.

Para os dois ministérios, que assinam o comunicado conjunto, “estas disposições incluem, no entendimento do Governo, a análise sobre matéria da idoneidade dos membros dos órgãos de administração das associações mutualistas abrangidas pelo regime transitório de supervisão previsto no CAM”.

Ao ECO, José Almaça faz uma interpretação diferente da respetiva alínea: “Nessa alínea diz-se analisar, e não decidir sobre o que quer que seja. É analisar para recomendar as associações mutualistas para que corrijam e para que convirjam para aquilo que é exigido às seguradoras”.

“Não está dentro das nossas competências. O nosso papel é de acompanhar como se portaram as mutualistas para que daqui por 12 anos, que é o período máximo que está na lei e que pode ser antecipado, a partir daí podermos atuar. Até lá não”, frisou ainda.

Com este comunicado, Governo e regulador dos seguros abrem uma frente de batalha em pleno espaço público e em relação a um tema já de si particularmente sensível: a AMMG que conta com mais de 620 mil associados que têm poupanças aplicadas numa instituição que não tem tido supervisão financeira adequada do ministério.

A questão da idoneidade de Tomás Correia emergiu novamente esta sexta-feira, depois das notícias sobre a condenação do líder da AMMG por parte do Banco de Portugal. Vai pagar uma coima de 1,25 milhões de euros por irregularidades cometidas durante o tempo em que foi presidente do agora designado Banco Montepio, entre 2009 e 2014. Com ele, foram também condenados ao pagamento de coimas inferiores mais sete administradores. Também o banco vai ter de pagar uma coima de 2,5 milhões de euros.

Tomás Correia já disse que vai recorrer da decisão do supervisor e adiantou que não vê razões para sair da liderança da mutualista. “O recurso é um direito a exercer. E exercerá os seus direitos e recorrerá”, disse fonte oficial da AMMG.

António Godinho e Fernando Ribeiro Mendes, que concorreram nas últimas eleições à AMMG, adiantaram ao ECO que Tomás Correia deve afastar-se imediatamente para proteger a instituição aos riscos reputacionais que podem advir de uma condenação do Banco do Portugal.

(Notícia atualizada às 20h36)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo força regulador dos seguros a avaliar idoneidade de Tomás Correia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião