Semana negra nos CTT. Lucros caem, dividendos também, ações afundam 10%

O valor das ações dos CTT afundou mais de 10% em poucas sessões, numa semana em que a empresa revelou uma queda dos lucros e um corte nos dividendos.

Queda nos lucros, corte nos dividendos e uma desvalorização acentuada em bolsa. Juntos, estes três fatores fizeram desta uma semana negra para os CTT. Os títulos da empresa liderada por Francisco de Lacerda fecharam a valer 2,794 euros, acumulando perdas de mais de 10% em poucas sessões, no dia em que o Parlamento acabou por chumbar a proposta para renacionalizar a empresa de correios que foi para a bolsa em 2013.

Os CTT desvalorizaram 2,92% esta sexta-feira. O preço atual das ações da companhia, 2,794 euros, representa uma queda acumulada de 10,79% desde o máximo semanal de 3,118 euros, que foi a cotação de fecho da sessão de quarta-feira — ou seja, em apenas duas sessões.

Evolução das ações dos CTT na bolsa de Lisboa

Já se adivinhava uma semana agitada para a empresa que detém a concessão do serviço postal universal em Portugal. A semana começou com um diferendo entre a empresa e a Anacom, com o regulador setorial a acusar os CTT de divulgarem “informação enganosa” relativa ao número de reclamações recebidas em 2018, acusação que a empresa rejeitou e o regulador, depois, ainda reforçou.

Mas foi na quarta-feira que todos os holofotes incidiram sobre os CTT, dia de apresentação de resultados anuais. Francisco de Lacerda revelou que o resultado líquido em 2018 ficou abaixo dos 20 milhões de euros, uma quebra de 28% face a 2017, explicada com os custos com a reestruturação que tem sido levada a cabo pela companhia.

A queda pressionou a administração a abandonar a política de dar todo o lucro em dividendos que era adotada até aqui. Por isso, foi anunciado um corte de mais de 70% na remuneração acionista, com os CTT a proporem distribuir apenas 10 cêntimos por ação, contra os 38 cêntimos no período anterior.

BCP e Galp pressionam. Lisboa recua e contraria Europa

O fraco desempenho dos CTT foi mesmo o pior de entre todas as cotadas do PSI-20, num dia em que o índice desvalorizou 0,17%, para 5.152,69 pontos, contrariando o sentimento positivo observado nas principais praças europeias. O Stoxx 600 somou 0,29%.

Mas não foi só a empresa de correios a contribuir para o recuo na bolsa de Lisboa. BCP e Galp Energia também pressionaram o índice português. O banco liderado por Miguel Maya derrapou 1,37%, para 23,09 cêntimos, enquanto a petrolífera perdeu 0,41%, apara 14,675 euros por ação.

A travar as perdas estiveram as restantes empresas do setor energético. A EDP subiu 0,53%, para 3,252 euros, enquanto a EDP Renováveis subiu 1,05%, para 8,215 euros. O melhor desempenho acabou por ser o da Pharol, que subiu 1,88%, para 18,4 cêntimos, apoiada no bom desempenho dos títulos da brasileira Oi no Ibovespa, da qual é acionista.

(Notícia atualizada pela última vez às 17h13)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Semana negra nos CTT. Lucros caem, dividendos também, ações afundam 10%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião